Economia, política e investigações são os destaques da mídia

Edição: Sérgio Botêlho MANCHETES DOS JORNAIS: Manchete e submanchetes do jornal O Globo: 4,3 milhões desistem de procurar emprego. Mão de obra subutilizada no país é de 26,4 milhões,

Edição: Sérgio Botêlho

MANCHETES DOS JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: 4,3 milhões desistem de procurar emprego. Mão de obra subutilizada no país é de 26,4 milhões, diz IBGE. Número dos que nem sequer tentam conseguir trabalho quase triplicou em três anos; era de 1,6 milhão em 2014. O IBGE revelou que, além dos 12,3 milhões de desempregados, o país fechou 2017 com contingente de 4,3 milhões de pessoas que desistiram de procurar emprego. São os desalentados, que se acham jovens ou idosos demais, ou perderam a esperança de conseguir vaga. Eles fazem parte de um grupo maior, que o IBGE chama de subutilizados, e que reúne 26,4 milhões de brasileiros. Nesta conta estão os que trabalham menos horas do que gostariam e os que estavam disponíveis, mas não podiam trabalhar por razões particulares/Militares ‘ficham’ moradores de favelas durante operação. Fotos eram enviadas à Polícia Civil para checagem. Ação provocou polêmica. Em operação que envolveu 3,2 mil homens em Vila Kennedy, Vila Aliança e Coreia, na Zona Oeste, militares fotografaram moradores e seus documentos. As informações eram enviadas à Polícia Civil, para identificar foragidos da Justiça. Foram presas 27 pessoas. A ação provocou polêmica. Para a OAB-RJ, reter cidadãos é “ilegal, mas é prática comum da polícia”. O Comando Militar do Leste disse que “a finalidade era agilizar a checagem de dados”, e que depois as fotos foram apagadas/Fernando Gabeira: Credibilidade. Governo que fez intervenção é impopular, mas o Exército tem grande credibilidade/Temer diz que intervenção é ‘jogada de mestre’. O presidente Michel Temer afirmou que a intervenção federal na segurança do Rio é uma “jogada de mestre”, mas negou ser candidato à reeleição, em entrevista à Rádio Bandeirantes. Temer disse ainda que chegou a ser cogitada uma intervenção total no Rio, com o afastamento do governador Luiz Fernando Pezão, mas considerou a opção “muito radical”/Lava-Jato: presidente da Fecomércio é preso. O presidente da Federação do Comércio do Rio de Janeiro (Fecomércio), Orlando Diniz, foi preso ontem na Operação Jabuti, etapa da Lava-Jato no Rio. A apuração do Ministério Público Federal encontrou conexões entre o líder empresarial e o esquema de corrupção montado pelo ex-governador Sérgio Cabral. A investigação estima desvios de cerca de R$ 11 milhões de duas entidades do Sistema S/Saúde: após corte, Crivella lança mutirão. Após cortar R$ 367 milhões do setor, o prefeito Crivella lançou o “Corujão da Saúde”, que se propõe a reduzir a espera por cirurgias. Mas estima gastar só R$ 800 mil por mês no projeto/Maconha leva cientista de 88 anos a depor. Intimado pela polícia a prestar esclarecimentos por suposta apologia ao uso de drogas, o professor da Unifesp Elisaldo Carlini foi pioneiro na pesquisa do uso medicinal da erva/Zuenir Ventura: Prefeito não tem limite para as suas piadas infames/Editorial1: Magistratura é incompatível com sindicalismo. Distorções no auxílio-moradia de juízes podem ser corrigidas pelo STF, mas nada justifica que magistrados façam greve, algo incompatível com a função/Editorial2: Baixos índices de vacinação preocupam. Adespeito das campanhas de vacinação, é preocupante o avanço da febre amarela, especialmente no Sudeste. Segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde, de 1º de julho de 2017 a 20 de fevereiro deste ano, foram confirmados 545 casos da doença, que resultaram em 164 mortes. Numa comparação com o ano anterior, percebe-se que os números se mantêm em patamares elevados. De julho de 2016 a fevereiro de 2017, houve 557 casos, com 178 óbitos.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo:  ‘Balcão’ de troca partidária se intensifica na Câmara. Siglas prometem até R$ 2,5 milhões para quem migrar de legenda; prazo para mudança começa em 7 de março. Partidos intensificaram nesta semana as negociações para atrair novos deputados e aumentar as bancadas nas próximas eleições. O prazo legal para trocas começa no dia 7 de março e vai até 7 de abril. Nesse período, os parlamentares podem mudar de legenda sem serem punidos. Além do Fundo Partidário de R$ 888 milhões, o fundo eleitoral, estimado em R$ 1,7 bilhão, também estaria sendo usado como moeda de troca. As promessas chegariam a R$ 2,5 milhões para quem mudar de legenda. O presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, confirma que reservou R$ 2 milhões do fundo eleitoral por deputado e o MDB divulgou que repassará R$ 1,5 milhão para deputados e R$ 2 milhões para senadores. Esta será a primeira eleição geral sem o financiamento de empresas. Com isso, candidatos terão menos recursos para gastos eleitorais, o que aumenta a disputa pelo dinheiro público/Temer nega candidatura. O presidente Michel Temer voltou a afirmar ontem que não pretende se candidatar à reeleição, apesar da movimentação de auxiliares em torno de seu nome. “As circunstâncias é que ditam a conduta. Eu não sou nem serei candidato.”/Exército ‘ficha’ moradores de três favelas no Rio. Moradores de pelo menos três comunidades da zona oeste do Rio tiveram rosto e documentos de identidade fotografados ontem por militares para checagem de antecedentes criminais. A medida, defendida pelo Comando Militar do Leste, foi considerada abusiva pela Defensoria Pública. Moradores reclamaram da ação. “É muita humilhação. Quero ver fazer isso na zona sul”, disse um deles/Propina pagou terreno para Instituto Lula, afirma perícia. Análise da Polícia Federal no sistema de propina da Odebrecht identificou os pagamentos da empreiteira, no Brasil e no exterior, para a compra do terreno do Instituto Lula. Em e-mails apresentados pela defesa de Marcelo Odebrecht são citados três pagamentos de R$ 1,057 milhão. Os documentos comprovam informações passadas pelo empresário em delação premiada. A defesa de Lula nega/CCR pagou a ex-diretor da Dersa, afirma operador. Adir Assad afirmou em delação que recebeu R$ 46 milhões de concessionárias do Grupo CCR. Parte teria sido entregue ao ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza. Assad diz que empresas de fachada eram subcontratadas e o valor de notas frias abastecia o caixa 2 de empreiteiras. CCR e Souza não comentaram/Declaração do IR vai exigir registro de carro e imóvel. A Receita Federal apresentou ontem novas regras para a declaração do Imposto de Renda de Pessoas Físicas (IRPF), que deverá ser entregue de 1.º de março até o dia 30 de abril. Entre as novidades deste ano, os contribuintes terão de informar os números de registro de automóveis e imóveis/Agência rebaixa País; mercado ignora. A agência de classificação de risco Fitch reduziu ontem a nota do Brasil, de BB para BB-. O mercado recebeu o anúncio sem sustos, e a Bolsa fechou com novo recorde/EUA ampliam sanções à Coreia do Norte/João Domingos: A sete meses da eleição, não se conhece projeto de governo dos pré-candidatos/Adriana Fernandes: Ministérios trabalham uma agenda pop para garantir medidas de apelo entre a população/Editorial1: ‘Eu não sou candidato’. Não é aceitável que partam do governo sugestões de que atos de Temer tinham por objetivo alimentar candidatura que não existe/Editorial2: Lição atrasada, nota rebaixada. Seria um erro grave menosprezar esse sinal de alerta/Editorial3: Alheamento judicial. Não é a primeira vez que uma parcela de juízes federais se volta para dentro de seu mundo muito particular e, deliberadamente, ignora a realidade do País a que deveriam servir. Sobre alguns desses clubes de juízes deve recair uma parcela da responsabilidade pelo fim da tramitação da imprescindível reforma da Previdência, pelo menos neste ano.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: Ação vê indício de repasses ilegais a advogado de Lula. Nova fase da Lava Jato no Rio investiga pagamentos de honorários pela Fecomércio. Nova fase do braço da Lava Jato no Rio, deflagrada ontem, respingou no escritório Teixeira, Martins&Advogados, responsável pela defesa de Lula. A ação, batizada de Jabuti, aborda pagamentos de honorários advocatícios pela Fecomércio-RJ. O foco da investigação são repasses para o escritório de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral. Quebras de sigilo, porém, indicam que o principal beneficiado foi o escritório liderado por Roberto Teixeira, amigo do ex-presidente. Os honorários pagos à banca somam R$ 68,3 milhões. A suspeita é que o dinheiro servisse para garantir a atuação de Teixeira a favor do presidente da Fecomércio- RJ, Orlando Diniz, no governo federal. Diniz foi preso pela operação ontem. O escritório Teixeira Martins disse que presta serviços à Fecomércio-RJ desde 2011 em casos de “alta complexidade”, como é possível comprovar publicamente. Cabral diz que a operação repete roteiro de fases anteriores e Diniz nega a acusação/Exército ‘ficha’ moradores de favelas no Rio sob intervenção. Em operação em favelas do Rio ontem, o Exército exigiu RG e tirou fotos para“fichar” moradores. Os dados eram enviados à inteligência, que avaliava existência de anotação criminal. O procedimento foi criticado por entidades. Após flagrar a ação, a reportagem da Folha foi temporariamente impedida de permanecer no local/Virgílio desiste e Alckmin deve ser candidato do PSDB. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, disse à Folha que não vai mais concorrer com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, nas prévias para a escolha do candidato do PSDB à Presidência. “Participar de uma fraude eu não vou, não.” Michel Temer afirmou ontem que não será candidato à reeleição/Governo cogitou afastar Pezão no RJ, afirma Temer. O presidente Michel Temer disse ontem que o governo chegou a cogitar que a intervenção no Rio ocorresse em toda a gestão, afastando o governador Luiz Fernando Pezão (MDB). Ele afirmou que refutou a hipótese por considerá-la radical/Recuperação do emprego favorece homens brancos. Mesmo precária, a reação do mercado de trabalho segue favorecendo trabalhadores do sexo masculino e que se declaram brancos. Segundo a Pnad Contínua, do IBGE, a taxa de desemprego encerrou 2017 em 11,8%. Entre os homens é menor: 10,5%. Já a taxa entre brancos é de 9,5%/Fitch corta nota do Brasil e Bolsa bate 4º recorde seguido/Morto em SP, chefe do PCC é ligado a assassinatos no CE. O integrante do PCC morto em frente a um hotel de São Paulo, na quinta (22), participou do assassinato de líderes da facção no Ceará na semana passada, segundo investigação. Ainda não se sabe se a morte de Wagner Ferreira da Silva, conhecido como Cabelo Duro, foi retaliação ou queima de arquivo/Álvaro Costa e Silva: Crivella mostra não ter a mínima ideia de como administrar a cidade/Mônica Bergamo: Aliados de Lula vão ao STF para falar de processo/Amigos próximos de Lula têm percorrido os gabinetes do STF para falar sobre o habeas corpus do ex-presidente. Além de darem testemunho sobre Lula, querem demonstrar que o comportamento do PT com o Supremo será diferente do adotado contra o juiz Sergio Moro e o TRF-4/Editorial1: Sem juízo. Apego de magistrados a penduricalhos dá ideia de como será a batalha para reformar o Orçamento/Editorial2: Israel. Premiê em apuros. Reinado de Benjamin Netanyahu, acusado de receber propinas, pode estar perto do fim.

MANCHETES DOS PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e submanchetes da hora de O Globo online: Maior traficante de armas do Brasil é preso em Miami. Ele foi apontado em investigações da Desarme e da DRFC como responsável pelo envio dos 60 fuzis apreendidos no Galeão/Intervenção no Rio. ‘Tensão é permanente’, diz general que atuou em missão de paz no Haiti. General da reserva diz que situação no Rio é mais complexa que a do país caribenho/De barricada do tráfico a bueiro entupido/Rodrigo Maia lança no Rio Observatório Legislativo para fiscalizar intervenção federal. Grupo será formado por servidores que vai acompanhar os trabalhos dos militares durante o período.

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Janela instaura ‘balcão’ de troca partidária no Congresso. Siglas prometem até R$ 2,5 mi para quem migrar de legenda; prazo para mudança começa em 7 de março/PCC decidiu matar assassinos de líderes, diz polícia. Execução na zona leste seria queima de arquivo; número de mortes chegaria a 3, segundo inteligência/FAB usa drones em análise de área estratégica. Aeronaves têm capacidade de monitorar principais eixos rodoviários e identificar situações de anormalidade/‘Evidencia-se a necessidade de proteção marinha’. Em artigo, governador de SP, Geraldo Alckmin, e secretário Maurício Brusadin afirmam que #ÉaHoradoMar/’Arthur Virgílio foi extremamente injusto com o partido e comigo’. Alckmin contesta acusação do prefeito de Manaus, que disse que prévia do MDB seria uma ‘fraude’/Virgílio desiste de prévia e chama Alckmin  de cínico/‘A intenção do status quo é se manter’, diz Guilherme Leal. Fundador do Raps se mostra cético ao surgimento de novas lideranças políticas/João Domingos: Sem um projeto de Nação/CCR pagou a ex-diretor da Dersa, diz Adir Assad. Operador afirma que movimentou R$ 46 milhões e repassou parte a Paulo Vieira de Souza/Sítio de Atibaia: Moro ordena perícia/Lava Jato já bloqueou US$ 44 milhões no exterior em 2018/Meirelles descarta mudar IR de empresas. Com onda de redução do imposto no mundo, grupos brasileiros dizem que perderão competitividade/Declaração do IR 2018 começa dia 1º de março/J&F começa a negociar novo acordo de leniência. Dono da JBS se reúne com procuradores para refazer acordo após empresários sonegarem informações. 

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: Verba de campanha estimula compra e venda de deputados. Partidos tentam atrair nomes para engordar votação e garantir acesso a fundo. ‘Proposta e cantada tem uma atrás da outra, é igual mulher’, afirma deputado/Mônica Bergamo: Aliados de Lula percorrem gabinetes do STF para discutir processo do ex-presidente. Jacques Wagner, Gilberto Carvalho e Luiz Marinho foram à corte para falar sobre habeas Corpus e dar testemunho sobre Lula/Henrique Meirelles deseja disputar Presidência pelo MDB. Ala do MDB defende nome de Meirelles; ministro pagaria campanha/Painel: Perícia da PF vai municiar defesa de acusados pela Odebrecht/Perícia da PF vai municiar defesa de acusados pela Odebrecht. Constatações em laudo serão usadas pelas defesas de acusados de levar dinheiro sujo.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.