Reforma da Previdência e eleições 2018 são os destaques da mídia

Edição: Sérgio Botêlho “Petrobras faz 1ª grande licitação após Lava-Jato. Serviços de R$ 3 bi devem gerar 3 mil vagas na área de Macaé. Estatal investirá em modernização de

Edição: Sérgio Botêlho

“Petrobras faz 1ª grande licitação após Lava-Jato. Serviços de R$ 3 bi devem gerar 3 mil vagas na área de Macaé. Estatal investirá em modernização de 75% das plataformas da Bacia de Campos”, conta a manchete de O Globo. “904 mil pessoas esperam por uma cirurgia no SUS. Demora pode chegar a 12 anos”, revela a manchete do Estadão. “Meirelles afirma que governo terá candidato. Nome do Planalto não será o de Geraldo Alckmin, diz ministro em entrevista”, informa a manchete da Folha.

“Temer traça estratégias para eleições de 2018 em reunião com Maia e aliados. Presidente inicia negociações para candidatura de sucessor e diz que apoiará quem defender seu ‘legado’”, noticia a manchete do portal Estadão. “Governo terá candidato na eleição e não será Alckmin, afirma Meirelles”, diz a manchete do portal Folha.

Reforma da Previdência e movimentações políticas para 2018 são os destaques do noticiário. Temer reúne líderes da base e programa esforço em favor da reforma. Desembargador libera propaganda do governo a favor das mudanças na Previdência. Meirelles busca se firmar candidato e afasta apoio do governo a Alckmin.

PREVIDÊNCIA. Sem a garantia dos 308 votos para aprovar a reforma da Previdência, o governo intensificou as negociações com a base. Michel Temer fez apelo a presidentes de partidos da base aliada pela aprovação da reforma da Previdência. Após reunião, governo fala em obter 350 votos para aprovar reforma. Justiça libera propaganda da reforma da Previdência. Manifestantes protestam na porta de jantar de Temer e aliados. Maia quer votar reforma até o fim do ano. Padilha: Aprovação é ‘perfeitamente possível’.

POLÍTICA/ELEIÇÕES 2018. Nome do Planalto não será o de Geraldo Alckmin, diz ministro em entrevista. Colon: Ministro age para tirar Alckmin do radar. Alckmin já articula apoio do PMDB nas eleições de 2018. Ministro da Fazenda critica tucanos e diz que só irá decidir a sua candidatura em março. Ricardo Noblat: Preso ou solto, candidato ou não, o ex-presidente Lula será protagonista das próximas eleições. Vantagem de Lula oculta próximos passos no tabuleiro; da economia aos nomes que ainda virão, jogo permanece aberto. Russomanno lidera disputa em SP, segundo Datafolha. A gestão Geraldo Alckmin é bem avaliada por 34%, regular para 38% e ruim ou péssima para 25%. Leandro Em sua 3ª caravana, Lula vai ao Rio e ao ES sob a ameaça de hostilidade. Painel: DEM testará o nome de Rodrigo Maia ao Planalto. Alckmin resiste a apoio a Doria em SP por medo de derrota na eleição.

ECONOMIA. Estatal investirá em modernização de 75% das plataformas da Bacia de Campos. Cida Damasco: Economia segue trilha da retomada, mas ainda não convence a população. Ações da BR Distribuidora atraem pequenos investidores. Com uma fila de 1.200 pacientes à espera de cirurgia, o Hospital Clementino Fraga Filho, da UFRJ, agoniza com a falta de recursos.

JUSTIÇA/INVESTIGAÇÕES A Lava-Jato do Rio contestou a decisão do ministro do STF Gilmar Mendes de soltar os empresários de ônibus Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira. Ministros desrespeitam prazo de pedido de vista no STF. Mônica Bergamo: CPI analisa a convocação de Meirelles. 

MUNDO. Envio de caças dos EUA para Coreia do Sul eleva tensão. Risco de guerra na Coreia do Norte aumenta a cada dia.

MANCHETES DOS JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Petrobras faz 1ª grande licitação após Lava-Jato. Serviços de R$ 3 bi devem gerar 3 mil vagas na área de Macaé. Estatal investirá em modernização de 75% das plataformas da Bacia de Campos/Na Saúde, a agonia do Hospital do Fundão. Com uma fila de 1.200 pacientes à espera de cirurgia, o Hospital Clementino Fraga Filho, da UFRJ, agoniza com a falta de recursos. Referência na formação de alunos e no atendimento de alta complexidade, a unidade está com parte dos serviços paralisada. Não há medicamentos nem material para tratar fraturas. A Defensoria Pública da União ameaça entrar com ação contra o Ministério da Educação e a universidade/Governo intensifica negociação com base. Sem a garantia dos 308 votos para aprovar a reforma da Previdência, o governo intensificou as negociações com a base. Ontem, Temer participou de dois encontros, e haverá outra reunião esta semana. Para convencer os 320 deputados governistas, poderão ser negociados cargos de segundo escalão ocupados pelo PSDB. O Planalto quer votar o texto nos dias 13 e 20/MPF no Rio reage à decisão de Gilmar. A Lava-Jato do Rio contestou a decisão do ministro do STF Gilmar Mendes de soltar os empresários de ônibus Jacob Barata Filho e Lélis Teixeira. Para procuradores, Dias Toffoli é quem deve decidir sobre a Operação Cadeia Velha/Ricardo Noblat: O fator Lula. Preso ou solto, candidato ou não, o ex-presidente Lula será protagonista das próximas eleições.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: 904 mil pessoas esperam por uma cirurgia no SUS. Demora pode chegar a 12 anos; Ministério da Saúde afirma que repassou verba extra para os Estados/Ministros desrespeitam prazo de pedido de vista no STF. Apenas 18 dos 40 processos paralisados por pedido de vista este ano no Supremo Tribunal Federal foram devolvidos para julgamento. Os pedidos são feitos para que ministros tenham mais tempo para análise. O mais recente foi o de Dias Toffoli, no caso do foro privilegiado. Alexandre de Moraes é o recordista, com nove pedidos. Regimento prevê devolução em duas semanas, mas prazo nem sempre é respeitado/Siemens negocia acordo de R$ 1 bi com Promotoria. A Siemens negocia com o Ministério Público Estadual pagamento de R$ 1 bilhão em troca de benefícios em ações movidas contra a empresa por irregularidades em licitações de Metrô e CPTM. Acordo, porém, divide a Promotoria. Uma ala não aceita a resistência da multinacional em delatar políticos e agentes públicos/Temer faz apelo por aprovação da Previdência. Michel Temer fez apelo a presidentes de partidos da base aliada pela aprovação da reforma da Previdência. O governo não tem os 308 votos necessários para passar a proposta na Câmara e avalia que, se não for votada até dia 15, será quase impossível aprová-la em 2018/Usiminas reage e reabre alto-forno/Cida Damasco: Economia segue trilha da retomada, mas ainda não convence a população.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: Meirelles afirma que governo terá candidato. Nome do Planalto não será o de Geraldo Alckmin, diz ministro em entrevista/Russomanno lidera disputa em SP, segundo Datafolha. Enquanto os nomes que disputarão o governo de São Paulo em 2018 não são definidos, o candidato a prefeito de 2016 Celso Russomanno (PRB) sai na frente nas intenções devoto, com João Doria (PSDB) em segundo, de acordo com o Datafolha. O deputado, que ficou em terceiro no pleito municipal, tem 25%, e o tucano, 19%. Paulo Skaf (PMDB), presidente da Fiesp, atinge 13%. A gestão Geraldo Alckmin é bem avaliada por 34%, regular para 38% e ruim ou péssima para 25%/Ações da BR Distribuidora atraem pequenos investidores.

MANCHETES DOS PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e smbmanchetes da hora de O Globo online: Economia. Petrobras faz 1ª grande licitação após Lava-Jato. Serviços de R$ 3 bi devem gerar 3 mil vagas na área de Macaé /Previdência e trabalho. Após reunião, governo fala em obter 350 votos para aprovar reforma. Esta foi uma das conclusões de um almoço realizado neste domingo no Palácio da Alvorada, com Michel Temer, Rodrigo Maia e líderes/Justiça libera propaganda da reforma da Previdência. Associações de servidores entraram com ação, alegando que terem sido ofendidos com os anúncios veiculados pelo governo/Manifestantes protestam na porta de jantar de Temer e aliados/Rio. Hospital do Fundão tem 1.200 pessoas na fila por cirurgia. Pagamento dos não concursados gera polêmica/Mundo. Envio de caças dos EUA para Coreia do Sul eleva tensão. Pyongyang ameaça ‘guerra nuclear’/Risco de guerra na Coreia do Norte aumenta a cada dia, alerta conselheiro de segurança dos EUA/Eleições 2018. Análise: Vantagem de Lula oculta próximos passos no tabuleiro. Da economia aos nomes que ainda virão, jogo permanece aberto/Alckmin já articula apoio do PMDB nas eleições de 2018. 

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Temer traça estratégias para eleições de 2018 em reunião com Maia e aliados. Presidente inicia negociações para candidatura de sucessor e diz que apoiará quem defender seu ‘legado’/Justiça derruba liminar que impedia propaganda da reforma da Previdência. Anúncios do governo federal a favor da reforma haviam sido suspensos na quinta-feira/Maia quer votar reforma até o fim do ano/Padilha: Aprovação é ‘perfeitamente possível’/Grupo faz protesto no acesso à casa de Maia/Maioria dos PMs mortos em São Paulo foi vítima de atentados ou de roubos. Segundo investigações feitas pela Corregedoria, apenas 5,9% das mortes têm ligação com serviço. 

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: Governo terá candidato na eleição e não será Alckmin, afirma Meirelles. Ministro da Fazenda critica tucanos e diz que só irá decidir a sua candidatura em março/Mônica Bergamo: CPI analisa a convocação de Meirelles/Leandro Colon: Ministro age para tirar Alckmin do radar. Meirelles se mexe e tenta tirar Alckmin do radar eleitoral do governo/Em sua 3ª caravana, Lula vai ao Rio e ao ES sob a ameaça de hostilidade/Painel: DEM testará o nome de Rodrigo Maia ao Planalto/Celso Rocha de Barros: Será difícil se eleger em 2018 sem fazer uma homenagem à Lava Jato/Pesquisa. Russomanno lidera disputa para governo de SP, indica Datafolha/Avaliação de Alckmin cresce só no interior de SP/Jogo de poder. Alckmin resiste a apoio a Doria em SP por medo de derrota na eleição/Reforma. Temer pede apoio e diz que delação da JBS prejudicou nova Previdência/Desembargador libera propaganda sobre a reforma.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.