Economia, parlamento, eleições 2018 e denúncia são os destaques das manchetes dos jornais

Economia, parlamento, eleições 2018 e denúncia são os destaques das manchetes dos jornais. O Globo aborda a questão do desemprego; o Estadão, pauta bomba, no Congresso, que coloca contas

Economia, parlamento, eleições 2018 e denúncia são os destaques das manchetes dos jornais.

O Globo aborda a questão do desemprego; o Estadão, pauta bomba, no Congresso, que coloca contas públicas em risco; Folha destaca disputa paulista; Valor denuncia benefícios do Refis a parlamentares que o aprovaram.

SINOPSE DE 16 DE ABRIL DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Desempregados  buscam vagas há mais de um ano. Entre os sem trabalho em 2016, 54% não voltaram ao mercado até o fim de 2017/

Prisão de Lula mexe com xadrez eleitoral. Ex-ministro do STF surge à frente de Alckmin e Ciro no Datafolha e se credencia para a disputa. A primeira pesquisa Datafolha após a prisão do ex-presidente Lula aponta migração de votos do petista para Marina Silva e põe o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (PSB) no centro da disputa. Mesmo sem ter assumido a candidatura, ele já supera Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) em quase todos os cenários sem a presença de Lula/

Caminhos na incerteza. Em depoimento de 203 páginas, ex-presidente Fernando Henrique alerta para riscos da desagregação política. Rebeldia para reinventar a política, sugere FH/

EUA e aliados elevam pressão. Aliados apresentam na ONU proposta contra programa químico sírio; EUA anunciam sanções à Rússia/

Alerj paga caro por deputados presos. Em quatro meses, despesa com funcionários de três deputados presos supera R$ 3,4 milhões/

Tendência no STF é tornar Aécio Neves réu pela primeira vez. Senador é investigado por suposto recebimento de propina da JBS/

Ocupação criativa. Projeto realizará ações mensais no bairro. No lançamento, muro virou painel para grafiteiros renomados/

Editorial: Privatização de estatais. Universo sem controle. Programas de privatização se constituem nervo exposto da esquerda. É assunto muito sensível e, por isso, inspirador de mitos. Um deles, que estatal é “empresa do povo”. Ora, só quando, para tapar rombos no Tesouro, abertos na injeção de dinheiro em estatais cronicamente deficitárias, o “povo” é convocado a pagar mais impostos.

 

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: ‘Pauta bomba’ no Congresso põe contas públicas sob risco. Projetos de renúncia fiscal podem ter impacto de R$ 667 bilhões nos cofres governamentais até 2020. Há aproximadamente 60 projetos em tramitação na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado que tratam da concessão de benefícios tributários ou perdão de dívidas/

Mansueto assume Tesouro Nacional. Anúncio será feito hoje pelo ministro da Fazenda; economista terá pela frente missão de negociar com governadores situação dos Estados/

Odebrecht deve R$ 1 bi a fornecedores no Peru. Lista de credores da empreiteira no país vizinho vai de fabricantes de motores a buffet; empresa está com bens bloqueados pelo governo local/

Alckmin abre campanha presidencial pressionado. Eleições. Na primeira semana como pré-candidato ao Planalto, tucano vê adversários mais fortes nas pesquisas e ainda teme ser ‘contaminado’ por julgamento de Aécio e Azeredo/

Na mira da Lava Jato, PP chega à 2ª maior bancada. Sigla fecha janela partidária com 51 deputados – mesmo número do MDB – e controla orçamentos dos principais ministérios do governo/

Aliados evitam aderir à candidatura do governo. Michel Temer não tem êxito ao usar reforma ministerial para unir partidos em torno de projeto eleitoral do MDB/

Ex-presidente diz que ‘sente orgulho’ da trajetória do partido. Condenado no mensalão e na Operação Lava Jato, Pedro Corrêa cumpre prisão domiciliar; ele afirma ‘torcer’ pela sigla/

Coluna do estadão. Juízes do Rio Grande do Norte se concederam o direito de receber licença-prêmio retroativa. A resolução, assinada por 13 desembargadores, permite que embolsem atrasados de 22 anos de uma vez/

EUA adiam retirada de tropas da Síria. Revisão. Em linha oposta ao que Trump afirmou dias antes do bombardeio a 3 alvos sírios, embaixadora americana na ONU afirma que os 2 mil militares ficarão no terreno para conter uso de armas químicas, derrotar o Estado Islâmico e controlar presença iraniana/

‘Arma falsa’ está em 40% dos roubos no RJ. Segurança Pública. Pistolas, revólveres e até fuzis fabricados para prática esportiva, e quase idênticos a armas de fogo, estão sendo cada vez mais usados em crimes. Baixo preço e menor risco explicam ‘inundação’ desse armamento. ‘Aberração’, diz promotor/

Pílula preventiva contra HIV será produzida no País. Com produção da Farmanguinhos, expectativa é que o custo do remédio caia e passe a ser fornecido pelo SUS no segundo semestre/

Cida Damasco: Privatizações, controle fiscal e “coisas novas”; governo quer mostrar que não parou/

Vargas Llosa: Lula atrás das grades. Existem muitas pessoas admiráveis no Brasil; mas se eu tivesse que escolher um deles como um modelo exemplar para o resto do planeta, não hesitaria um segundo para escolher Sérgio Moro/

Editorial1: A bomba fiscal e a LDO. Desarmar a bomba fiscal e evitar o desastre é tarefa complexa da nova equipe econômica/

Editorial2: PT joga a cartada Bolsonaro. Lula apresenta-se como único capaz de barrar Bolsonaro/

Editorial3: Ciclovias no rumo certo. Concretizaram-se apenas parcialmente, até agora, as esperanças de que a mudança de governo levaria à correção dos graves erros cometidos pelo ex-prefeito Fernando Haddad na implantação, improvisada e às carreiras, de uma rede de ciclovias e ciclofaixas de mais de 400 km. Com a sanção, em novembro de 2017, da Lei 16.738, que prevê novas e acertadas regras para a expansão da rede, preserva-se o futuro – o que é um inegável e importante avanço –, mas não se toca na pesada herança deixada pelo governo petista, que contém distorções inaceitáveis, porque afetam negativamente o sistema viário.

 

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: Criticado na capital, Doria lidera disputa pelo estado. Com até 36% de intenção de voto, tucano deixa prefeitura mal avaliado/

Juros caem, mas taxa do cheque especial não muda. Levantamento do Banco Central mostra que, 16 meses após o início do corte dos juros pelo governo, a taxa cobrada no cheque especial quase não saiu do lugar. A modalidade de crédito é a única a não acompanhar o recuo da Selic. Em quatro ciclos anteriores de corte de juros, houve redução. A federação de bancos diz que os juros elevados, os quais passam de 300% ao ano, devem-se à alta inadimplência na linha. Em fevereiro, o índice de calote no cheque especial foi de 13,6%. Para o BC, é erro esperar que as taxas bancárias caiam na mesma proporção da Selic/

“Recebi pelos meus serviços prestados a empreiteiras”. Entrevista da 2ª. O ex-ministro Delfim Netto, investigado na Lava Jato e que teve a casa vasculhada pela PF, afirma ter recebido dinheiro de empreiteiras por serviços prestados. Ele diz que em 2010, a pedido do PT, montou um grupo de empresas para concorrerão leilão de construção da usina de Belo Monte e, assim, combater cartel de empreiteiras maiores/

Aécio Neves: Cometi erros, me penitencio, mas não ilegalidade. Na minha vida pública, não existe um ato sequer em favor da JBS, o que foi confirmado pelos delatores. Não houve vantagem indevida. Como falar em corrupção se não há dinheiro público ou contrapartida? Fui ingênuo, cometi erros e me penitencio. Mas não cometi ilegalidade/

Putin afirma que ofensiva contra a Síria levará a caos. Os principais aliados do ditador da Síria, Bashar al-Assad, disseram que os bombardeios dos EUA complicam resolução da guerra civil de forma pacífica. Para Vladimir Putin (Rússia), “levarão o caos às relações internacionais”. A Casa Branca deve fazer novas sanções contra Moscou/

Painel: Pesquisa recomenda cautela a Doria e deve encerrar insinuações sobre o Planalto. Apesar da dianteira na corrida pelo governo de SP, a nova pesquisa Datafolha traz dados que recomendam cautela a João Doria (PSDB). A rejeição da população paulistana à sua renúncia à prefeitura em nome de nova disputa eleitoral e o saldo final de sua fugaz administração certamente serão explorados pelos rivais. Outra ala do tucanato, porém, deve receber o levantamento com alívio. Ele tende a pôr fim às insinuações de que Doria seria um “reserva de luxo” para a disputa pelo Planalto/

Doria lidera disputa pelo governo, mas rejeição sobe. Doria atinge a maior reprovação ao sair da Prefeitura de SP/

Apenas 9% sabem quem é o governador de São Paulo

Editorial1: Trump ataca. EUA e aliados fazem ofensiva, mas há pouco a fazer para mudar o curso da guerra na Síria/

Editorial2: Diga com quem andas. Parte do círculo próximo a Michel Temer acha-se sob investigação ou às voltas com acusações.

 

Manchete e destaques do jornal Valor Econômico: Mudança do Refis beneficia 73 senadores e deputados. O presidente Michel Temer – contrariando a posição de sua equipe econômica – cedeu às exigências de deputados e senadores por mudanças no Programa Especial de Regularização Tributária, o novo “Refis”, aprovado no ano passado. As alterações resultaram em descontos generosos aos próprios parlamentares. (Senadores citados: Zezé Perrela, Ciro Nogueira, Ivo Cassol, Benedito Lira, Sérgio Petecão, Fernando Collor, Cidinho Santos e Jader Barbalho)/

BC vai observar concorrência no caso Itaú-XP. Há indicações de que o Banco Central discute se deve ou não vetar o investimento do banco Itaú na XP Investimentos ou, ao menos, aplicar restrições, levando em conta os efeitos concorrenciais da operação/

‘Fintech’ de crédito poderá vender carteira. A regulamentação do Banco Central de dois modelos de empresas de tecnologia financeira (“fintechs”) voltadas à concessão de crédito deve prever que a sociedade de crédito direto poderá ofertar financiamentos (com finalidade específica, podendo ter garantia) e também será autorizada a vender suas carteiras/

Para eleitores, Barbosa emula Lula e Moro. Cotado para disputar a eleição presidencial, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa tem uma imagem junto a eleitores das classes C, D e E que mescla atributos positivos de dois dos personagens mais populares do país, o juiz Sergio Moro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva/

Mercado se rende aos cinquentões. Levantamento feito pela empresa de recrutamento Exec indica que começa a mudar a atitude das empresas em relação à contratação de executivos com mais de 50 anos, embora ainda se trate de uma minoria/

Presença marcante. Depois de ter comprado 43 marcas de produtos de beleza, a Coty cresceu mais do que o dobro do mercado no ano passado, segundo seu presidente global, Camillo Pane/

Ataque não muda guerra na Síria nem derruba Assad. Foi um ataque surpreendente que usou o poder tecnológico dos militares dos EUA e seus aliados. Mas os 105 mísseis lançados pelo governo de Donald Trump pouco fizeram para mudar o curso da guerra civil de sete anos na Síria ou para expulsar o ditador acusado de perpetuar uma catástrofe humanitária/

Rússia, China e EUA disputam Ártico. As temperaturas estão aumentando no Ártico, tanto no sentido literal como no geopolítico. Grandes potências como Rússia e China já estão tentando controlar os recursos e as rotas de transporte da região. Isso cria, também, uma área com riscos de conflito/

Uma dama-da-noite que atrai e mata. Conhecida pelo perfume adocicado que exala, a dama-da-noite está no foco de pesquisadores brasileiros que tentam conter a principal praga que ataca os laranjais, o greening/

Contas públicas. Gasto com saúde cresce mais nos municípios do que nos Estados e União. As prefeituras destinaram R$ 81,75 bilhões à saúde no ano passado, o equivalente a 24,22% da receita própria, 9,22 pontos percentuais acima do mínimo de 15%/

Rentabilidade das exportações cresce 3,2%, acima da desvalorização cambial. Preço de exportação, com alta de 1,3%, e custo de produção, que ficou praticamente estável, contribuíram com o resultado/

Mansueto comandará Secretaria do Tesouro Nacional. Ele ocupará a vaga deixada por Ana Paula Vescovi, nomeada para o cargo de secretária-executiva do Ministério da Fazenda pelo novo ministro, Eduardo Guardia/

The day after. Aceite-se ou não, as cartas na politica brasileira são dadas pelas aspirações da base social que Lula vocaliza/

Atuação de ministros por placar favorável no STF recebe críticas. Apresentação de habeas corpus na Corte passou a ser comparada a uma “loteria”/

Partidos Imagem de Barbosa reúne ‘bons atributos’ de Moro e de Lula. Estudo qualitativo investigou imagem do ex-ministro do STF cotado para disputar a Presidência/

Editorial: BC se prepara para conter volatilidade no ano eleitoral. A débil posição fiscal deixa o Brasil vulnerável durante o processo eleitoral.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.