Questão da violência e da segurança pública segue como destaque da mídia

Edição: Sérgio Botêlho MANCHETES DOS JORNAIS: Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Combate à corrupção policial será prioridade da intervenção. Para militares, ‘limpeza’ nas corporações é condição para

Edição: Sérgio Botêlho

MANCHETES DOS JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Combate à corrupção policial será prioridade da intervenção. Para militares, ‘limpeza’ nas corporações é condição para sucesso da operação. Em reunião no Rio, Temer confirma criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública. MG e e ES temem migração de criminosos e estudam até o reforço de policiamento nas divisas. O governo federal considera o combate à corrupção nas polícias Militar e Civil o alicerce da intervenção na segurança do Rio. A missão do general Braga Netto, de acordo com fontes ouvidas pelo GLOBO, será fazer uma “limpeza” nas corporações, que não investigam práticas irregulares: em 2017, nenhum caso de corrupção na PM foi levado a auditoria militar. Em reunião ontem no Rio, o presidente Michel Temer confirmou que será criado o Ministério Extraordinário da Segurança Pública, mas não detalhou sua estrutura. Minas e Espírito Santo temem migração de bandidos e já avaliam reforçar o patrulhamento de divisas com o Rio/Falta de plano dificulta aporte de recursos. Autoridades cobram recursos para a segurança do Rio. Mas a Fazenda espera detalhes do plano de intervenção para definir aporte/Miami superou crise e tem lições para o Rio. Cidade dos EUA sofreu intervenção nos anos 80 para debelar criminalidade explosiva, corrupção policial e decadência econômica/Facção brasileira compra armas na Venezuela em crise/Foto-legenda : Vida ao relento. Imigrantes venezuelanos dormem em praça no Centro de Boa Vista, em Roraima. Sem dinheiro nem para a passagem de ônibus, eles percorrem a pé os 200 quilômetros que separam Pacaraima, na fronteira, da capital do estado/Brasileiro não sente queda da inflação. Os índices de inflação estão cada vez menores, mas quem vai ao supermercado não tem essa percepção. Segundo especialistas, isso se deve ao desemprego elevado e à alta acumulada dos preços. Itens como arroz, feijão e frango tiveram queda em 2017, mas ainda custam mais do que há três anos/‘Tenho mais fé nas novas gerações’. Uma das economistas que mais influenciaram o pensamento econômico brasileiro, Maria da Conceição Tavares diz que os jovens precisam “se mexer” para que país saia da apatia/Ensino público deficiente -Docentes: 85% não dominam o inglês. O MEC estima que cerca de 85% dos docentes que dão aulas de inglês para alunos de escolas públicas não dominam o idioma. Cursos oferecidos nas universidades são deficientes e falta praticar a língua/Míriam Leitão: Novo ministério é só criação de órgão para nomeação/Elio Gaspari: Pezão precisa deixar o governo do estado e ir para casa/Bernardo Mello Franco: Criação do Ministério da Segurança é bandeira da bancada da bala. Há um ano, ele acrescentou as duas palavras ao nome do Ministério da Justiça. Em doze meses, a pasta teve três titulares e não produziu nada de concreto para conter a violência/Ascânio Seleme: Temer levou ao Planalto problema do qual os antecessores fugiram/Editorial1: Crise humanitária venezuelana já afeta o continente. O fluxo de refugiados trouxe a crise da Venezuela para os países vizinhos. Estes, sozinhos, não conseguirão dar conta da tarefa humanitária que se impõe, tanto no acolhimento dos refugiados, como também na montagem da infraestrutura necessária para isso. A ajuda de organismos multilaterais e países desenvolvidos será, nesse sentido, crucial. Ao mesmo tempo, é preciso aumentar a pressão diplomática internacional sobre Maduro, para forçar o país a voltar à democracia/Editorial2: Chacinas nos EUA prejudicam bancada da bala. Apesar dos defensores do uso de armas sem maiores controles, mais uma chacina em escola americana comprova que a facilidade no acesso a elas incentiva a violência.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: Temer anuncia no Rio criação do Ministério da Segurança. Nova pasta será desmembrada do Ministério da Justiça; militares reforçavam policiamento na Zona Sul. No dia seguinte à intervenção federal no Rio, o presidente Michel Temer foi à cidade e anunciou a criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública. A nova pasta será desmembrada do Ministério da Justiça e oficializada por meio de um texto que já está na Casa Civil. “O ministério coordenará o trabalho, mas não vai invadir as atribuições dos Estados”, disse Temer. Ontem de manhã, militares do Exército reforçavam o policiamento na zona sul da capital, mas a informação oficial era de que o incremento do efetivo era por causa da visita do presidente. Ele chegou ao Palácio Guanabara de helicóptero, acompanhado do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Moreira Franco. A comitiva foi recebida pelo governador Luiz Fernando Pezão (MDB) e pelo prefeito Marcelo Crivella (PRB). Segundo o Comando Militar do Leste, as ações decorrentes da intervenção ainda não começaram. O coronel Carlos Frederico Cinelli, da Comunicação Social do Comando Militar do Leste, explicou que ainda estão valendo medidas desencadeadas em junho com o decreto da Garantia da Lei e da Ordem (GLO)/Dobra uso de fuzis pelo crime e caem apreensões. O aumento do poder de bandidos ligados a facções criminosas, que disputam o controle do tráfico de drogas, está diretamente vinculado à queda de apreensões de armas pela Polícia Federal nas fronteiras. Enquanto o uso de fuzis por criminosos de Rio e São Paulo quase dobrou nos últimos cinco anos, apreensões de armas nas fronteiras caíram 60,9% no mesmo período/’País vive processo descivilizatório’. Crescimento da violência é a causa, afirma o professor suíço Manuel Eisner, diretor do Centro de Estudos da Violência da Universidade de Cambridge, na Inglaterra/Membros do CNJ recebem acima do teto. Catorze dos 17 integrantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) receberam acima do teto constitucional de R$ 33,7 mil pelo menos uma vez em 2017. Eles acumulam “penduricalhos”, como auxílios-moradia e alimentação, com verbas recebidas pela atuação no órgão/Sindicatos tentam manter contribuição. Principais centrais do País estão orientando sindicatos a colocar em votação a continuidade da contribuição obrigatória, proibida pela reforma trabalhista. A contribuição sindical é a principal fonte de receita das centrais, que ficam com 10% do arrecadado/O mea-culpa de Sepúlveda Pertence. Ex-procurador-geral e ex-ministro do Supremo, advogado de Lula faz ‘mea-culpa’ sobre sua iniciativa de fortalecimento do Ministério Público/Celso Ming: Como restringir a intervenção a um só Estado se o problema é nacional? E como evitar que a bandidagem fuja momentaneamente do Rio e passe a atuar em territórios adjacentes?/Mario Vargas Llosa: Mais cedo que tarde, como o Equador de hoje, a Venezuela sairá do pesadelo. No plebiscito realizado no Equador, dia 4, não foi derrotado apenas o ex-presidente Rafael Correa, que não poderá se candidatar novamente à primeira magistratura do país, mas também o chavismo e sua criação ideológica, o “socialismo do século 21”, da qual Correa foi um promotor entusiasta/Editorial1: Acordos ainda frágeis. Em vez de estimular, o sistema atual dificulta que as empresas eventualmente interessadas em colaborar com o Estado façam um acordo de leniência/Editorial2: Um alerta para as redes sociais. Elas podem fazer mais para combater notícias mentirosas/Editorial3: Recuperando-se do desastre. A evolução do mercado de trabalho no final do ano passado, com o aumento do nível de ocupação e da massa de rendimentos, entre outros dados, confirma e fortalece a recuperação observada há alguns meses. Mas os efeitos desastrosos da política econômica do governo Dilma Rousseff sobre a vida dos brasileiros foram de tal ordem que, mesmo amainados por bons resultados como esses, ainda persistirão por um bom tempo.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: BNDES paga salários de R$ 100 mil a diretores. Remuneração é a maior entre os bancos estatais. Dados obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação mostram que, entre bancos estatais federais, o BNDES é o que oferece a maior remuneração para os seus diretores. Se acrescido de variáveis como auxílio-educação e gratificação, o salário de executivo, de R$ 80.110,10, vai a R$ 105 mil. Para especialistas, o banco precisa atrair quadros qualificados. O BNDES diz que o valor é o maior entre os estatais porque tem nove diretores, número menor do que o de instituições como Banco do Brasil e Caixa, que possuem 39 e 33, respectivamente. “As estruturas do BB e da Caixa são muito maiores, portanto, é claro que esses bancos precisam de um número maior de diretores”, afirma Sandro Cabral, professor do Insper/Temer cria novo ministério, o da Segurança Pública. No Rio, o presidente Temer anunciou o Ministério da Segurança Pública, ainda sem ministro, para controlar PF, Polícia Rodoviária e Força Nacional, o que esvazia a pasta da Justiça. Os policiais do Estado sob intervenção convivem com escassez de armas e atrasos de salário/Benefícios a juízes estaduais superam teto federal do CNJ. Os benefícios a juízes estaduais revelam disparidade nos valores de auxílios em razão do forte peso das leis regionais em sua definição. Há Estados com auxílio-moradia que supera teto do Conselho Nacional de Justiça/Auxílio-moradia é direito, diz presidente de associação de magistrados/Bruno Bhogossian: Violência deve assumir papel central na eleição. Temer puxou a fila dos que devem pegar carona no Exército para ganhar pontos. A intervenção no Rio revela como o medo pode ser explorado no jogo eleitoral/Luciano Huck: Escrevo para dizer, mais uma vez, que não serei candidato. Se alguém imaginou que estou saindo de cena, errou na mosca. Estou tendo a alegria e o privilégio de ver de perto o nascimento dos novos movimentos cívicos que brotam país afora. Todos juntos pela renovação verdadeira/Editorial1: Fakebook. Gigante das redes sociais sofre seus primeiros reveses, consequências de uma política pouco transparente e de decisões atabalhoadas/Editorial2: Ditadura. Ferida reaberta. É improvável que a revogação da Lei da Anistia, a esta altura, ajude a enfrentar os desafios do presente.

MANCHETES DOS PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e smbmanchetes da hora de O Globo online: No Rio, Temer anuncia Ministério Extraordinário da Segurança Pública. Após reunião com Pezão, presidente afimou que nova pasta também vai coordenar ações em todos os estados/Comando militar na segurança. Futura relatora diz que é a favor da intervenção no Rio. Laura Carneiro foi escolhida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia/Câmara dos Deputados quer votar intervenção já na segunda-feira. Após decretar intervenção, Temer ouve reivindicações por recursos para a segurança pública/Autoridades fluminenses afirmaram que apenas mais militares nas ruas não vão resolver o problema/’Não há decisões tomadas sobre os comandos das polícias Civil e Militar’, diz Braga Netto. General afirma que ainda está fazendo o planejamento dos próximos passos da intervenção/Por trás da decisão: Pezão foi persuadido; Rodrigo Maia se irritou. Temer começou a planejar a medida após ver cenas de violência no carnaval/Jungmann diz que intervenção federal no Rio se tornou ‘uma emergência’. No entanto, o ministro da Defesa destacou que não haverá uma mudança do dia para a noite no estado/Ex-secretário de Segurança: ‘Fiz o meu melhor’. Entidades de policiais se dividem entre elogios e críticas a Sá/Dez episódios recentes de violência que marcaram o Rio. Estado está no centro de uma espiral de insegurança.

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Uso de fuzis pelo crime organizado em SP e Rio dobra; apreensões caem. Número de armas interceptadas pela Polícia Federal nas fronteiras diminuiu 60% no ano passado/Chefes de polícia vão levar sugestões para Brasília/Até pequenos traficantes já buscam armamentos/Temer anuncia criação do Ministério da Segurança. ‘Quando as coisas desandam aqui, tendência é desandar em outros Estados’, disse presidente após encontro/Brasil vive um processo de ‘descivilização’, diz professor de Cambridge. Manuel Eisner acredita que mundo pode reduzir atual nível de homicídios pela metade em 30 anos/Ausente durante crise, Crivella diz que viagem à Europa foi ‘cansativa’. Prefeito do Rio estava fora e acompanhou de longe as mortes por causa do temporal na cidade/MPRJ abre inquérito para investigar viagem de Crivella à Europa. Em comunicado, o MPRJ informou que será investigado se a viagem realmente atende ao interesse público e justifica o gasto/TCU, burocracia e eleições adiam leilões para 2019. Analistas preveem que licitações concentradas no último trimestre sejam empurradas para o próximo ano/Petistas já discutem plano em caso de prisão de Lula. Estratégia eleitoral e mobilização nas ruas são temas debatidos no partido por aliados do ex-presidente/Papa Francisco afirma que Paulo VI será canonizado em 2018. Pontífice ainda disse, em tom de brincadeira, que ele e Bento XVI estariam ‘na lista de espera’/Atirador da Flórida fez comentários racistas e homofóbicos em chat. Jovem mostrou interesse em ‘matar mexicanos, manter negros acorrentados e cortar pescoços’/Em Miami, amantes de armas defendem seus tesouros em feira. Evento com pistolas, revólveres e fuzis ocorre dias após massacre na cidade vizinha de Parkland.

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: BNDES paga salários de R$ 100 mil a diretores. Remuneração média é recorde entre bancos federais; BNDES diz que tem menos diretores que outras instituições/Banco paga gratificação fixa de 25% para todos os funcionários/Polícia aos ‘cacos’ é o desafio de fogo em intervenção no Rio/Novo comando vai esbarrar em estrutura sucateada e pagamentos atrasados/Janio de Freitas Intervenção deixa o Exército com o risco/Elio Gaspari Pezão precisa sair do governo/Mônica Bergamo: ‘Não é isso tudo’, diz ator sobre violência/Entrevista. Ação tem efeito político publicitário, diz sociólogo/Vinicius Torres Freire: Por que não houve intervenção no governo todo?

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.