Prisão de amigos de Temer é destaque na mídia impressa

A prisão de amigos do presidente Michel Temer, por determinação do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, é o assunto predominante nas edições desta sexta-feira, 30. Os

A prisão de amigos do presidente Michel Temer, por determinação do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, é o assunto predominante nas edições desta sexta-feira, 30.

Os jornais destacam o cerco judicial ao Planalto e a possibilidade de uma terceira denúncia contra Temer chegar à Câmara dos Deputados, agora, com chances menores de ser rejeitada pela base.

Há, entre as análises, especulações sobre desinteresse de aliados em continuar no governo, o que pode dificultar a reconfiguração do ministério, que vem sendo gestada pelo governo, a ser anunciada na próxima semana quando encerra o prazo para a desincompatibilização de ministros que vão concorrer às eleições de outubro.

Segundo informações que chegaram à mídia, um dos objetivos da investigação é uma reforma na casa da filha do presidente, em São Paulo, que teria sido custeada à base de propina do esquema que está sendo alvejado pela Operação Skala.

Eis a sinopse dos principais órgãos da mídia impressa:

SINOPSE DE 30 DE MARÇO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: PF prende amigos de Temer, e Planalto vê risco de nova denúncia. Receio no Palácio é de que a Câmara resista a salvar presidente pela terceira vez. Cenário sem Temer no páreo eleitoral fortaleceria a candidatura do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles/

Reforma na casa de filha de Temer é alvo de investigação. Obra teria sido paga com propina; arquiteta é mulher do coronel Lima/

De coordenador de comitê eleitoral a consultor sentimental. Coronel Lima foi assessor de Temer na Segurança de SP, período em que criaram laços de amizade/

No centro do poder. Análise. Operação pode esclarecer o que interessava a Temer em Santos. Prisão de amigos próximos pode alterar prioridades do presidente, que vinha animado com pré-candidatura à reeleição/

A rede de relações do presidente. Aliados, amigos, assessores e empresários estão envolvidos em investigações, e alguns na prisão/

Merval Pereira: Num momento em que os fatos parecem confluir para uma grande aliança suprapartidária, não para uma união em torno da busca do diálogo para desarmar literalmente as mãos, e os espíritos, mas para um acordão para a manutenção do status quo que garanta a impunidade, a ação fechando o cerco em torno do presidente Michel Temer revigora o ânimo republicano da sociedade, que clama por demonstrações de Justiça/

Míriam Leitão: A Operação Skala trouxe muitos sinais, e nenhum é bom para Temer. O presidente Michel Temer foi duas vezes denunciado pelo Ministério Público, é investigado pela Polícia Federal e ontem a Procuradoria-Geral pediu a prisão de 13 pessoas ligadas a ele, algumas são seus amigos de longa data. Das duas primeiras denúncias ele conseguiu se livrar através de estratagemas no Congresso. Há pouco mais de 10 meses ele se tornou um presidente encurralado/

Bernardo Mello Franco: A trama parece repetir o escândalo Collor, com o coronel Lima no lugar de PC. A prisão dos amigos do presidente deu início a uma nova contagem regressiva em Brasília. O Congresso e o Planalto já esperam uma terceira denúncia contra Michel Temer. Desta vez, ele deve ser acusado de chefiar um esquema de corrupção no setor portuário/

Lydia Medeiros: Presidente perdeu garantia de sobrevivência política. Parlamentares fiéis a Michel Temer não apostam na repetição das votações que salvaram seu mandato duas vezes, ano passado, caso ele venha a enfrentar uma terceira denúncia do Ministério Público. A hipótese ganhou corpo ontem, com a prisão de pessoas muito próximas a Temer, suspeitas de envolvimento em irregularidades ligadas ao setor portuário. As relações de Temer com o Congresso vêm se debilitando/

Crime contra vereadora foi político. Secretário de segurança diz que escutas telefônicas deram ‘dados concretos’ para investigação. O secretário de Segurança do Rio, general Richard Nunes, disse que crime político é a principal linha de investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL, “pelo que ela representa e poderia representar no futuro”/

Aplicativo irregular turbina o MBL. O Movimento Brasil Livre (MBL) sofreu um revés em sua iniciativa de publicar conteúdo de forma automática usando o perfil de seus seguidores. Após ter sido procurado pelo GLOBO durante a apuração de uma reportagem sobre estratégia digital, o Facebook decidiu desativar o aplicativo que fazia o compartilhamento/

Leilão obtém receita recorde. Leilão de petróleo levanta R$ 8 bi, com ágio de 621,9%, e disputa por Bacia de Campos é acirrada/

Personalidades de 2017 os destaques do ano. Homenageados destacaram papel da escola na construção de um Brasil inclusivo e menos desigual. Combate ao racismo e à intolerância também deram o tom da noite/

Trajetória de luta, superação e vitória. Cientista premiada, Joana D’Arc Félix dá aulas e exemplo/

Editorial1: ‘Temer mais uma vez sob cerco’. Mais uma ação anticorrupção passa próximo ao presidente Michel Temer, com a Operação Skala, deflagrada ontem pela Polícia Federal, liberada pelo ministro do Supremo Luís Roberto Barroso, a pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge/

Editorial2: Crise catalã estimula ativismo anti-União Europeia. Prisão de líder independentista na Alemanha gera críticas de extremistas contra Merkel e reacende retórica separatista contrária ao bloco.

 

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: Amigos de Temer são presos e Planalto vê risco de 3ª denúncia. PF investiga favorecimento de empresas do setor portuário; governo teme ação da PGR contra presidente/

É o reconhecimento de que se buscava investigar um assassinato onde não existe cadáver” Carlos Marun ministro da Secretaria de Governo/

Eliante Catanhêde. Os homens do presidente. Auxiliares do presidente classificam operação como ‘complô’ contra emedebista e avaliam que ação da PF é indicativo de nova acusação formal. Temer se lança candidato à sucessão, mas deve se dar por satisfeito se chegar inteiro até a eleição. Serão longos oito meses/

Coluna do Estadão. Aliados de Temer falam em abandonar o governo. Quem pensava em sacrificar a eleição para assumir cargos na Esplanada passou o dia de ontem reavaliando a estratégia. Com a base enfraquecida e a quatro meses da campanha, ninguém aposta que Temer vai conseguir evitar que o Congresso autorize o STF a abrir processo contra ele/

Fachin prevê julgar ações da Lava Jato. Ministro relator no Supremo espera iniciar análise de processos no 1º semestre e diz que Corte está ‘fazendo a operação ter o seu ritmo normal’/

Leilão de blocos de petróleo surpreende e rende R$ 8 bi. Valor pago pelas petroleiras para explorar blocos marítimos ficou 622% acima da mínimo exigido pela União; resultado levou governo federal a elevar a previsão de arrecadação com todos os leilões de petróleo deste ano, de R$ 8 bilhões para R$ 12 bilhões/

Emprego formal cai ao menor nível desde 2012. País tem hoje 33,1 milhões de trabalhadores formais; taxa de desemprego subiu para 12,6% no último trimestre, segundo IBGE/

Rússia expulsa 60 diplomatas americanos. Moscou afirmou que vai aplicar a mesma medida para outros países do Ocidente/

Celso Ming: Leilão do petróleo foi um enorme sucesso, em especial porque leilões no México e nos EUA renderam pouco/

Facebook cancela parceria com provedores. Segmentação. Anúncios direcionados com base em informações fornecidas por terceiros deixarão de funcionar na rede social a partir de 30 de setembro; única parceira da empresa americana no Brasil, a Serasa Experian fazia segmentação por renda/

Visto dos EUA deve exigir dados sobre redes sociais. Segundo medida que ainda deve ser aprovada, os solicitantes terão de fornecer nomes nas mídias sociais e e-mails/

SP inaugura trem da zona leste ao aeroporto. Transporte. Em abril, Linha 13-Jade da CPTM funcionará das 10 às 15 horas, aos sábados e domingos, gratuitamente, e serviço será ampliado de forma gradual nos meses seguintes; ônibus da concessionária GRU farão trajeto circular entre os três terminais/

Editorial1: Mais impulso ao crescimento. Com atividade muito moderada e preços muito contidos, nada mais adequado que o afrouxamento das condições de crédito/

Editorial2: Injustiças do sistema prisional. Situações desumanas em presídios não são uma exceção, mas, infelizmente, a regra/

Editorial3: Tensões latentes. A escalada das tensões entre a Rússia e o Ocidente atingiu novo e preocupante patamar após Estados Unidos, Canadá, Austrália e outros 20 países aliados na Europa ordenarem a expulsão de 116 diplomatas russos, 60 deles baseados nos EUA, 12 dos quais em serviço na Organização das Nações Unidas (ONU), com sede em Nova York. Grande parte dos diplomatas expulsos atuava em missões de inteligência.

 

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: PF prende amigos de Temer e eleva pressão sobre o Planalto. Temor de nova denúncia contra o presidente cresce após prisão de coronel Lima e José Yunes. Operação da Polícia Federal deflagrada ontem fechou o cerco ao presidente Michel Temer (MDB). A ação, autorizada pelo ministro do Supremo Luís Roberto Barroso, prendeu dois amigos do emedebista e outras 11 pessoas. Detidos em São Paulo, o coronel João Batista Lima Filho e o advogado José Yunes são suspeitos de receber propinas e de atuar como laranjas de Temer em suposto esquema de favorecimento a empresas do setor portuário/

Cargo está sujeito a bombardeios a todo momento, afirma o presidente/

Bruno Boghossian: Temer corre o risco de ficar sozinho na luta para sobreviver/

Leilão de petróleo e gás arrecada R$ 8 bilhões. Com grande participação da Petrobras e da americana Exxon, a 15ª rodada de licitação de concessões de petróleo e gás do governo nesta quinta-feira (29) arrecadou R$ 8 bilhões, com ágio de 622% sobre o preço mínimo. O valor é recorde entre leilões sob o modelo de concessão —o último, em 2017, somou R$ 3,9 bilhões. A lista de ofertas esvaziou-se após o Tribunal de Contas da União ordenar a saída dos dois blocos mais caros/

Medida provisória travada põe reforma trabalhista em risco. Medida provisória que ajusta a reforma trabalhista corre o risco de caducar caso não seja aprovada pelo Congresso até 23 de abril. Assim, as regras que entraram em vigor em novembro não poderão ser aplicadas a contratos vigentes, diz o Ministério Público do Trabalho/

Foto- legenda: No aguardo. Um dos cerca de 80 macacos de centro de animais silvestres da prefeitura de SP, que evita reintroduzir os bichos à natureza para protegê-los da febre amarela/

Alckmin afirma que desconhecia ataque quando disse que PT ‘colheu o que plantou’/

Bolsonaro diz que superaria Lula e Dilma juntos em prova do Enem/

Maluf tem ‘desconforto respiratório’ e segue internado em Brasília/

Bolsa dispara na última sessão do mês e fica estável em março apesar de tensão global/

Editorial1: Cerco ao presidente. Operação da PF prende dois amigos de Temer, em caso que envolve suspeita de propina. Não se trata apenas de aliados políticos, mas de nomes apontados como envolvidos diretamente com operações financeiras de seu particular interesse.

Editorial2: O jogo da Rússia. Putin reforça a seu eleitorado a imagem de que o país não se curva às potências ocidentais.

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.