Posse e demissão no governo é o destaque do noticiário

Edição: Sérgio Botêlho  JORNAIS: Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Desgastado por inquérito sobre Temer, diretor da PF é demitido. Anunciada por Jungmann, queda estava decidida há duas

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Desgastado por inquérito sobre Temer, diretor da PF é demitido. Anunciada por Jungmann, queda estava decidida há duas semanas. Raquel Dodge pede ao Supremo que presidente seja incluído em investigação a respeito do suposto recebimento de propina da Odebrecht em troca de vantagens na Secretaria de Aviação Civil. A demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, determinada pelo ministro Jungmann (Segurança Pública), já estava decidida pelo governo há duas semanas, diante da má repercussão provocada pela entrevista em que o delegado sugeriu o arquivamento de inquérito contra Temer. Em 109 dias, Segovia se envolveu numa série de polêmicas e provocou rebelião na PF. Ontem, a procuradora Raquel Dodge pediu ao Supremo a inclusão de Temer como investigado em inquérito que apura pagamento de propina pela Odebrecht em troca de benefícios na Secretaria de Aviação Civil/Bernardo Mello Franco: Segovia, o delegado que morreu pela boca/Interventor anuncia choque de gestão. Comandantes da PM terão que cumprir metas. Correios decidem cobrar taxa por risco de entregas no Rio. Na primeira entrevista coletiva da equipe de intervenção no Rio, o general Walter Souza Braga Netto disse que vai fortalecer as corregedorias para “valorizar o bom policial” e atacar a falta de efetivo das polícias. O interventor prometeu um choque de gestão. O chefe de Comunicação do Comando Militar do Leste, coronel Carlos Frederico Cinelli, assegurou que comandantes de batalhões da PM “serão substituídos” se não apresentarem resultados. Os Correios anunciaram ontem a cobrança de R$ 3 para envios à capital fluminense, por causa do impacto da violência no custo das entregas/Elio Gaspari: Apoio comunitário a policiais é opção para crise na segurança/Merval Pereira: O plano de segurança integrado que está sendo feito para o Rio deverá ser nacional/Bancos aumentam cobrança de tarifas. Os quatro maiores bancos do país (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander) ganharam R$ 23,2 bilhões com tarifas de conta corrente em 2017, numa alta de 9,7% sobre 2016. Isso apesar da diminuição de 3% na base de clientes, o que indica estratégia para compensar a redução do crédito/Crivella proibido de iniciar obras. O Tribunal de Contas do Município proibiu o prefeito Marcelo Crivella de iniciar novas obras sem antes concluir as 131 que estão paradas. Nelas já foram gastos R$ 4 bi/Ditador coreano com passaporte brasileiro. O presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e seu pai, Kim Jong-il, já falecido, usaram passaportes brasileiros, emitidos em 1996, para tentar viajar ao Ocidente. O Itamaraty investiga/Maduro terá rival na eleição de abril. O principal adversário de Maduro nas eleições de abril será Henri Falcón, ex-militar que rompeu com o chavismo. A MUD, que ficará fora do pleito, o acusa de traidor/Editorial1: A missão do Ministério da Segurança. Mesmo com suspeições em torno da pasta, devido ao governo Temer, ela pode servir a tão reivindicada integração no combate ao crime/Editorial2: Mortes por febre amarela triplicaram no Rio. Tudo se torna mais preocupante porque, segundo o Ministério da Saúde, o percentual de vacinação do público-alvo nos estados de São Paulo e Rio é de apenas 25%.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: Jungmann demite Segovia da chefia da Polícia Federal. Desgastado e apenas três meses após ter assumido o cargo, delegado será substituído por Rogério Galloro. Depois de ter se envolvido em polêmicas nos pouco mais de três meses em que permaneceu no cargo, o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, foi demitido ontem pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. O pedido para tirá-lo da função teria sido feito anteontem por Jungmann ao presidente Michel Temer. Segovia deve exercer a função de adido da PF nos EUA. O fator de desgaste do agora ex-diretor da PF foi uma entrevista, concedida durante o carnaval, em que indicou a tendência pelo arquivamento de inquérito contra Temer relacionado ao Decreto dos Portos. Antes, ele já havia declarado que uma só mala não era prova suficiente de crime de corrupção – sobre a ação que flagrou o ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures com R$ 500 mil. Segovia será substituído pelo delegado Rogério Galloro, que já foi o “número 2” da corporação/Coluna do Estadão. Rogério Galloro deve trocar a cúpula da corporação. Inteligência e investigação e combate ao crime organizado estariam na mira/General quer combater corrupção na PM do Rio. O interventor federal na segurança do Rio, general Walter Braga Netto, planeja apertar o cerco a oficiais da Polícia Militar responsáveis por batalhões que têm casos identificados de corrupção policial ou altos índices de criminalidade. Tenentes- coronéis da PM poderão ser trocados se não entregarem resultados esperados pelo comandante militar do Leste/Juro imobiliário não segue ritmo de queda da Selic. Enquanto a taxa básica da economia, a Selic, caiu quase pela metade entre novembro de 2016 e janeiro deste ano – de 13,75% para 7% ao ano –, os juros para financiamento da casa própria em cinco bancos foram de 11,24% para 9,69% no período. A Caixa cobra hoje os juros imobiliários mais altos/País pode levar 260 anos para dominar Leitura. Um relatório inédito do Banco Mundial estima que o Brasil vá demorar 260 anos para alcançar o nível educacional de países desenvolvidos em Leitura e 75 anos em Matemática. O cálculo, sobre a lentidão no avanço, é feito com o desempenho dos alunos nas edições do Pisa, avaliação da OCDE/Kim Jong-un tinha passaporte brasileiro. O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e seu pai, Kim Jong-il, usaram passaportes brasileiros com nomes falsos na década de 1990. Nos documentos, com fotos verdadeiras dos dois, consta que ambos são naturais de São Paulo. Os passaportes foram usados para tentar obter visto em pelo menos dois países. O Itamaraty investiga o caso/Rabello deixará BNDES para disputar Planalto/Editorial1: Os juros do Fed. Com a economia em recuperação, desemprego elevado e reformas emperradas, o Brasil é vulnerável a um aperto mais forte na política de juros do Federal Reserve (Fed)/Editorial2: Retrocesso institucional. A nomeação de um militar para a Defesa é um evidente retrocesso institucional/Editorial3: Sindicatos contra o trabalhador. Preocupante a notícia de que centrais sindicais estão instruindo os sindicatos a desrespeitarem a legislação em vigor. Segundo reportagem do Estado, as principais centrais sindicais estão aconselhando seus filiados a aprovarem, por votação em assembleia extraordinária, a manutenção da cobrança da contribuição sindical. Essa orientação contraria o que determina a Lei 13.467/17, que trata da reforma trabalhista.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: Jungmann assume e já troca o comando da PF. Ministro da Segurança substitui Segovia, desgastado após cem dias no cargo. No dia em que tomou posse no Planalto, o novo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, decidiu trocar o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia. Ele será substituído por Rogério Galloro, hoje Secretário Nacional de Justiça. A mudança, antecipada pela coluna Painel, encerra o desgaste provocado pela escolha de Segovia e dá força política a Jungmann. Segovia foi alçado ao cargo pelo presidente Michel Temer com apoio de políticos do MDB, como o ex-presidente José Sarney e o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil). Desde sua posse, em novembro, acumulou desgastes que o enfraqueceram. A gota d’água foi a entrevista na qual indicou que o inquérito que investiga Temer por suspeitas de irregularidades no porto de Santos (SP) deveria ser arquivado. A declaração desencadeou duras reações da PF e uma reprimenda pública do ministro Luís Roberto Barroso, do STF, que o proibiu de voltar a tocar no assunto. Com perfil mais técnico, Galloro foi o número dois da PF na gestão de Leandro Daiello, antecessor de Segovia. Ao justificar a troca, que pegou aliados do governo de surpresa, Jungmann disse querer pessoas com quem tem mais “afinidade” no comando dos órgãos sob sua responsabilidade/Novo diretor-geral, Galloro é visto como vaidoso e técnico/Alckmin discursa para se posicionar sobre a segurança/Dodge pede ao STF para incluir Michel Temer em investigação. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin que inclua Michel Temerno rol de investigados de um inquérito sobre suposto repasse da Odebrecht ao MDB em 2014, acertado em jantar no Palácio do Jaburu. Na época, o então procurador- geral, Rodrigo Janot, entendeu que a Constituição proibia investigar o presidente por supostos crimes anteriores ao mandato. Na petição, Dodge discordou. O Planalto não comentou/Supremo reverte bloqueio federal de R$ 6 bi para MG. A ministra Rosa Weber, do STF, reverteu a decisão do Tesouro de fazer o bloqueio de R$ 6 bilhões em recursos para Minas Gerais. Segundo o governo federal, MG perdeu prazos para apresentar aditivos ao contrato de renegociação de dívidas com a União. A gestão Fernando Pimentel (PT) diz que enviou as documentações no prazo/Janeiro registra superavit recorde nas contas públicas. As contas públicas tiveram em janeiro superavit primário (receitas menos despesas antes do pagamento de juros) de R$ 31 bilhões, o melhor resultado no mês desde 1997, ano do início da série histórica. Para o Tesouro, contribuíram para o desempenho a alta na arrecadação de impostos e o aumento da alíquota de PIS/Cofins dos combustíveis/O passaporte brasileiro do ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un; ele e seu pai usaram os documentos falsificados para solicitar vistos nos anos 1990/Marcelo Crivela: Prefeitura do Rio trabalha e muito, mostram números. Os números de nossa gestão comprovam que a Prefeitura do Rio trabalha —e muito. Só o preconceito e a perseguição são capazes de manipular dados e tentar confundir a opinião pública. A prefeitura se mantém firme e determinada, resistente aos ataques/Bruno Boghossian: Demissão livra o presidente de vilão atabalhoado na PF. Escalado por Temer no comando da Polícia Federal para controlar a Lava Jato, o delegado Fernando Segovia se transformou em um risco que precisava ser eliminado. As tentativas de Segovia de desmerecer o trabalho de quem confrontava Temer produziram ambiente hostil e provocaram reações enérgicas na PF, na Procuradoria-Geral da República e no STF. Sua demissão é uma tentativa de “zerar o jogo”/Editorial1: O reinado de Xi. O ambicioso líder chinês está perto de obter autorização para se perpetuar no posto/Editorial2: Golpes de insensatez. Não cabe ao Ministério da Educação exercer controle sobre o conteúdo exposto nas salas de aulas.

PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e smbmanchetes da hora de O Globo online: Para manter lucro alto, bancos aumentam tarifas para clientes. Receita de bancos com serviços cresce 9,7% em 2017/Choque nas polícias: interventor vai cobrar gestão e resultados. Não haverá ocupações de favelas e comandantes terão que cumprir metas/Elio Gaspari: O andar de cima e a segurança. É possível criar uma organização privada para remunerar e estimular os policiais, sem meter o Estado nisso/‘Estamos tomando decisões que ninguém teve coragem’, diz Moreira. Ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência diz que intervenção era único caminho Por causa da violência/Correios anunciam taxa extra para entregas no Rio. Empresa estabeleceu cobrança emergencial de R$3 para encomendas destinadas à cidade/Jungmann demite Segovia do comando da Polícia Federal. Rogério Galloro, atualmente na Secretaria Nacional de Justiça, irá assumir o cargo/Análise: Segovia, o breve. Demissão vem após sinais de que governo tentava controlar investigações/Rio. Intervenção federal no Rio está mal explicada, dizem analistas. Para eles, falta detalhamento de ações anunciadas por general/Jungmann: ‘No Rio, durante o dia pedem segurança. À noite, financiam o crime’/Exército terá nas mãos todos os dados de inteligência da segurança. ‘Senhores, no grito não funciona’, diz interventor a jornalistas/Ancelmo Gois: Artistas gravam vídeo contra intervenção/Para FH, intervenção expõe governo fraco e ‘encurralado’/STJ marca julgamento de habeas corpus de Lula para quinta-feira. Tribunal irá analisar mérito do pedido; ex-presidente tenta evitar prisão/PT vê desgaste após caso Wagner, mas mantém ‘Plano B’/Partido vai reforçar discurso de que é alvo de perseguição política/Em carta, Vaccari defende Lula e diz que Léo Pinheiro mentiu sobre tríplex/PGR pede para STF incluir Temer em inquérito sobre propinas. Decisão será tomada pelo ministro Edson Fachin; Padilha e Moreira já são investigados/Barroso prorroga inquérito de Temer por 60 dias/Dodge diverge da PF e não pede quebra de sigilo de Temer. Procuradora entende que não há elementos que justifiquem ação/Líderes da Coreia do Norte usaram passaportes brasileiros. Com documentos obtidos de forma fraudulenta, Kim Jong-un e seu pai pediram vistos de países ocidentais.

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Jungmann demite Segovia do comando da PF; Rogério Galloro assume. Delegado, que protagonizou episódios polêmicos, deixou a corporação após menos de quatro meses no cargo/Direto da Fonte: Demissão foi condição de Jungmann/Peritos querem PF ‘livre de pressões políticas’. Federais atribuem queda a ‘declarações conturbadas’/Maia se diz surpreendido com demissão de Segovia/Antes de ser demitido, Segovia recuou sobre norma da PF/‘Governos que não são fortes apelam a militares’. Segundo FHC, ‘no passado, colocar um civil na Defesa era símbolo de qual poder prevalece’/Há ineficiência dos Três Poderes, diz Joaquim Falcão/FHC afirma que nunca quis fazer intervenção militar/Eros Grau: ‘A constituição do Brasil é móvel’/Maia rebate declaração de FHC sobre governos fracos/’Candidato do mercado vai perder’, diz Fernando Henrique/PGR quer incluir Temer em investigação sobre R$ 10 mi da Odebrecht. Dodge contraria visão de Janot sobre inquérito contra presidente por fato anterior ao mandato/Barroso estica inquérito sobre Decreto dos Portos/STF pede que Dodge se manifeste sobre vazamentos/Câmara abre processo por quebra de decoro contra Maluf e mais. Conselho de Ética também vai avaliar pedidos de cassação de Lúcio Vieira Lima, Jacob e Rodrigues/Wellington Fagundes vira réu na ‘Sanguessuga’/STF condena Nilton Capixaba em caso de emendas/Acir Gurgacz é condenado por crime financeiro/Fachin suspende julgamento de denúncia contra políticos do PP. Ministro decidiu reexaminar voto; ação julga suposta propina por contratos da Petrobrás/STF adia pela 5ª vez julgamento sobre Dudu da Fonte/Cabral se nega a depor por videoconferência/Movimento de Huck fecha acordo com a Rede. Pelo menos 5 nomes do Agora! devem disputar cargos pelo partido em aliança denominada ‘coligação cidadã’/’Não garantimos candidatura’, diz Marun sobre Meirelles/‘Doria está fugindo de debate, prévias e Prefeitura’, diz Aníbal. Aliados do prefeito tentam evitar disputa interna e aclamá-lo como candidato do PSDB ao governo paulista. 

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: Segovia se transformou em risco que precisava ser eliminado. Para governo, trapalhadas de delegado ampliaram rigor de investigações contra Temer/Painel: Troca na PF mostra que Temer aposta todas as fichas na segurança/Rio de Janeiro. Deputados presos e membros do TCE do Rio afastados mantêm os salários/Gastos com parlamentares ausentes chega a R$ 1,7 mi; pagamentos a conselheiros é de R$ 2,2 mi/Alckmin discursa para se posicionar sobre a segurança. Precisamos de um plano de segurança com visão de longo prazo/Após UnB, Unicamp cria disciplina sobre ‘golpe de 2016’. Professores criaram curso em ‘solidariedade’ a curso criticado pelo Ministério da Educação/Itália. País incentiva denúncia para combater corrupção. Para porta-voz de agência, consciência do público levou à redução da tolerância/Outros têm falado demais, diz Maia sobre delegado/Dodge pede ao STF para incluir Temer em investigação sobre jantar no Jaburu/STJ marca julgamento de habeas corpus de Lula para 5ª/Em protesto por prisão, Cabral se recusa a falar a Bretas/Eleições 2018. Lula diz para Jaques Wagner não recuar, mas PT busca opções/Tucano causa revolta ao declarar ‘ampla maioria’ em favor de Doria/Por Copa, Neymar pressiona PSG a aceitar cirurgia. Ideia de operação desagrada ao time de Paris, mas atacante quer procedimento/Coreia do Norte. Kim Jong-un e seu pai usaram passaportes brasileiros falsos. Documentos de norte-coreanos foram emitidos por embaixada em Praga em 1996/Supremo reverte o bloqueio de R$ 6 bi das contas de Minas/Minoritários da BRF se alinham por troca de conselho. Tendência que se forma é pela saída de Abilio Diniz, como querem Petros e Previ/R$ 400 milhões. Itambé acusa Vigor de ‘roubar’ contrato e pede ressarcimento.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.