Reforma da Previdência é adiada, governo estuda ceder mais a servidores. Tema é destaque maior do noticiário.

Edição: Sérgio Botêlho Manchetes de jornais e portais da Grande Imprensa, do país, tratam do adiamento, para fevereiro de 2018, da votação da reforma da Previdência. Noticiário destaca repercussão

Edição: Sérgio Botêlho

Manchetes de jornais e portais da Grande Imprensa, do país, tratam do adiamento, para fevereiro de 2018, da votação da reforma da Previdência. Noticiário destaca repercussão do fato, com posicionamentos do governo, do mercado e dos políticos. Governo ainda quer votar, neste ano, medidas por maior arrecadação, segundo Meirelles.

“Governo já negocia mais concessões na reforma. Proposta prevê adiar perda de privilégios de servidores”, diz a manchete de O Globo. “Previdência fica para 2018 e governo cede a servidores”, conta a do Estadão. “Temer estuda ceder mais para aprovar Previdência”, informa a da Folha.

MANCHETES DOS JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Governo já negocia mais concessões na reforma. Proposta prevê adiar perda de privilégios de servidores. Após a decisão de transferir a votação para fevereiro, ministro da Fazenda vai procurar agências de risco para tentar evitar novo rebaixamento do Brasil. Para elas, atraso ameaça teto de gastos/Para o PT, Lula puxa votos até da prisão. Preocupado com o julgamento do ex-presidente Lula, marcado para 24 de janeiro, o PT começa a decidir hoje, em reunião do diretório nacional, uma nova estratégia para 2018. Na tentativa de reduzir os efeitos nas alianças políticas estaduais, petistas planejam usar Lula como puxador de votos, mesmo que ele seja preso/Fachin quer que apuração avance. O relator da Lava-Jato no STF, ministro Edson Fachin, votou ontem contra a extensão da imunidade dada ao presidente Temer a outros investigados, sem foro, no inquérito que apura suspeita de corrupção na cúpula do PMDB/EUA alteram regra da internet. Órgão regulador cita livre mercado e põe fim à neutralidade da rede, que impedia discriminar velocidade entre usuários. Especialistas esperam impacto da decisão até no Brasil.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: Previdência fica para 2018 e governo cede a servidores. Ideia é votar reforma em fevereiro, após o carnaval; Rodrigo Maia negocia nova regra de transição com servidores/Pauta da Assembleia de SP eleva gastos para Alckmin. Cinco dias após assumir a presidência nacional do PSDB, o governador Geraldo Alckmin vê sua base aliada na Assembleia colocar em votação temas que podem fazer o governo aumentar seus gastos em R$ 1,4 bilhão. A “pauta-bomba” inclui o pagamento de emendas parlamentares (aprovada na madrugada de hoje) e salários de uma elite do funcionalismo. O governo conseguiu aprovar lei do teto estadual/PF descarta crimes de ministros do STF/EUA põem fim à neutralidade da rede; Brasil pode ter reflexo. A agência que regula as telecomunicações nos EUA decidiu ontem acabar com a neutralidade da rede. Agora, provedores poderão escolher os conteúdos em suas conexões e discriminar a qualidade dos serviços de acordo com o preço. A mudança foi criticada por empresas de tecnologia e entidades de consumidores, que pretendem contestá-la na Justiça.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: Temer estuda ceder mais para aprovar Previdência. Sem o apoio necessário, presidente da Câmara adia votação para fevereiro/Brasil supera ricos em desigualdade, afirma relatório. A concentração de renda no topo da pirâmide social é maior no Brasil do que em muitos países ricos, afirma um novo relatório do grupo liderado pelo economista francês Thomas Piketty. Comparada à realidade dos brasileiros, a desigualdade em países emergentes como China, Rússia e Índia tem avançado de forma mais acelerada/Após cirurgia, presidente terá de usar sonda por até três semanas/BR Distribuidora estreia na Bolsa como 3ª em receita. A BR Distribuidora estreia hoje na Bolsa de SP como a terceira maior companhia de capital aberto do país em receita. Com as ações vendidas ao preço mínimo ( R$ 15), porém, seria só a 36ª em valor de mercado. A Petrobras venderá 28,75% do capital da subsidiária/Volks do Brasil, diz relatório, cooperou com ditadura militar/Para diretor da Fapesp, é preciso mais eficiência no uso de recursos.

MANCHETES DOS PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e smbmanchetes da hora de O Globo online: Governo já negocia mais concessões a servidor público. Uma das ideias é adiar efeitos da reforma da Previdência para servidores que ingressaram na carreira até 2003/Análise: Por votos para aprovar reforma, governo fez de tudo. Liberação de emendas, desonerações e parcelamentos de dívidas somaram ao menos R$ 15 bi, mas esforço não foi suficiente/Previdência é a ‘mãe’ de todas as reformas, diz presidente do Bradesco/Opinião do Globo: É alto o custo de se adiar a reforma da Previdência/PT vê Lula como puxador de votos, mesmo se for preso. Partido discute nesta sexta-feira novo cenário eleitoral em reunião do diretório nacional/Alianças do PT para 2018 correm risco se condenação de Lula for mantida. Decisão pode impactar acordos negociados pelo ex-presidente nos estados, afirmam cientistas políticos/Meirelles admite possibilidade de ser candidato da base em 2018. Ministro da Fazenda comentou ainda qual seria sua prioridade em uma eventual gestão/Lideranças do PMDB criticam declarações de FH. Ex-presidente disse que aliança com o PMDB não é fundamental em 2018/Cabral depõe e pede desculpas à população do Rio por uso de caixa 2/… e Bretas brinca com ex-governador: Justiça pode reclamar de campanha antecipada/Servidores vão receber salários atrasados até o Natal, diz Pezão. ‘Está tudo encaminhado’, afirmou governador sobre acordo com a Fazenda/Empréstimo ao Rio será assinado até sexta, confirma ministro. Henrique Meirelles diz que há ‘detalhes’ que estão em fase final/Rio investiu apenas 6% da receita na saúde até o fim de outubro/Neutralidade na rede continua sendo tema espinhoso na governança mundial da internet. Fim da neutralidade nos EUA abre precedente perigoso para mercados desregulados. Decisão da FCC beneficia setor de telecomunicações. Gigantes da internet e população se opõem. Empresas podem se beneficiar, enquanto há chance de prejuízo aos usuários/Neutralidade de rede: entenda o que significa para quem usa. Princípio prevê igual velocidade para as informações e impede privilégio de conteúdo/Teles brasileiras pressionam por mudança na internet/Roberto Irineu Marinho se mantém presidente do Conselho do Grupo Globo, e Jorge Nóbrega assume presidência executiva. Com 70 anos recém-completados, empresário continuará cuidando das decisões estratégicas/Fachin quer parte do ‘quadrilhão’ do PMDB na 1ª instância. Julgamento no STF sobre o tema será retomado na próxima terça-feira/Luislinda Valois pede desfiliação do PSDB e seguirá no governo. Ministra dos Direitos Humanos era pressionada pelo partido a deixar cargo/Ministra tem currículo respeitado, mas criou polêmicas após entrar no governo/Temer usará sonda para coletar urina por ao menos três semanas. Medida evita nova obstrução da uretra do presidente/Internado, presidente passa o dia ao telefone com aliados/CPI aprova relatório de Marun sem indiciamento de Janot. Relatório pede indiciamento do ex-procurador Marcelo Miller, dos irmãos Joesley e Wesley Batista e de Ricardo Saud/Isto é Marun. O GLOBO selecionou frases do escolhido de Temer para assumir a Secretaria de Governo. 

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Cúpula chavista tinha mais de US$ 2 bi em contas na Europa, diz investigação. Segundo jornal espanhol, dinheiro seria resultado de suborno de empresas por garantias de contratos/Adiar reforma inviabiliza votação, avalia base. Proximidade da campanha aumenta resistência dos parlamentares, que temem desgaste com os eleitores/Estados Unidos põem fim à neutralidade da internet. Provedores poderão tratar tráfego da rede de forma diferente dependendo do aplicativo ou do serviço/Operadores querem flexibilizar neutralidade no Brasil/França pode vetar menores de 16 em redes sociais Google libera assistente de voz para versões do Android/PF descarta crimes de ministros do Supremo. Em áudio revelado em setembro, Joesley e Ricardo Saud citam 3 membros da Corte/Governo ainda vai tentar, neste ano, votar medidas por maior arrecadação, diz Meirelles. A principal delas seria a tributação de fundos exclusivos, que traria receitas de R$ 6 bilhões/Fora do PSDB, Luislinda Valois deve ser substituída em ministério. Governo estaria buscando alguém na bancada feminina, mas pasta não atrai atenção de aliadas/Nova política de saúde mental reforça papel de hospitais psiquiátricos. Para especialistas, resolução abre brecha para retorno do modelo manicomial; ministro rebate/Reforma da Lei de Planos não será votada este ano/Cabral pede desculpas ao povo por uso de caixa 2. Ao juiz Bretas, ex-governador diz que todos que lhe ‘apontam dedo’ recebem benefícios da Justiça. 

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: Previdência. Demora em votação ajuda grupo do Judiciário que pede reforma amena. Lobby de corporações quer amenizar impacto do novo texto sobre servidores públicos/Lava Jato e Odebrecht pressionam delator que não quer assumir crime. Empresa busca maior coordenação para não perder controle sobre ex-funcionários na Justiça/Família de Marcelo Odebrecht não deve ir buscá-lo na saída da prisão/Agendamento de julgamento de Lula pauta reunião nacional do PT/Márcio França não pode confundir governo e eleição, diz Cauê Macris. Presidente da Assembleia de SP diz que atual vice terá que dar continuidade à gestão Alckmin/Pré-candidatos ao governo de SP exageram ou erram em declarações/Régis Bittencourt é duplicada após muitos anos de atrasos e tragédias/Pronto-socorro adulto de hospital da USP fecha por falta de médicos. Sindicato diz que hospital não tem como operar/Doria se antecipa ao MEC com novo currículo que guiará aluno em 2018/Internet. No Brasil, teles também vão pedir mudança de neutralidade de rede.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.