Venda da Eletrobras, surto de febre amarela e eleições 2018 são os destaques das manchetes

Edição: Sérgio Botêlho MANCHETES DOS JORNAIS: Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Venda da Eletrobras estende tarifa extra por 30 anos. Projeto de Temer enviado ao Congresso amplia

Edição: Sérgio Botêlho

MANCHETES DOS JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Venda da Eletrobras estende tarifa extra por 30 anos. Projeto de Temer enviado ao Congresso amplia prazo, que hoje é de 8 anos. Valor pago pelos consumidores compensa redução de preço da energia feita por Dilma, em 2012. O projeto de lei enviado ao Congresso pelo presidente Michel Temer para privatizar a Eletrobras prevê que o prazo para indenização das transmissoras de energia passará de oito para 30 anos. A compensação, que está sendo paga pelos consumidores desde o ano passado e hoje soma R$ 62 bilhões, diz respeito à redução da conta de luz feita em 2012, no governo Dilma. Na época, ficou acertado que as empresas seriam ressarcidas pelos investimentos feitos, já que os contratos de concessão foram antecipados/Tragédia cruza caminho de bloco. Uma noite que deveria terminar em samba, com o desfile do bloco Nem Muda, Nem Sai de Cima, acabou em tragédia na Tijuca. Uma troca de tiros que começou com uma perseguição policial deixou em seu rastro pelo menos cinco vítimas: o garçom Samuel Ferreira Coelho, de 24 anos, foi atingido por um tiro de fuzil e morreu na hora. Outras quatro pessoas ficaram feridas, entre elas, dois PMs. Moradores dizem ter ouvido de peritos que foram feitos pelo menos 300 disparos. O pânico foi generalizado. Dezessete tiros atingiram o carro de duas jovens, fantasiadas de super-heroínas, que saíram ilesas. “Não sei como”, disse a administradora Monique Lorosa. A polícia investiga se os criminosos envolvidos no tiroteio fazem parte de um bando de traficantes que seguia da Rocinha para o Morro da Formiga/Antônio Gois. Sisu facilitou migração entre estados, mas elevou evasão/Demétrio Magnoli: “Esquerda” lulista escolheu capitalismo selvagem/Editorial. Controle salarial do funcionalismo. A folha dos servidores é a segunda maior despesa primária do Orçamento, só superada pela Previdência.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: Fundo público eleitoral dá mais dinheiro a 21 partidos. Com aumento dos recursos para os partidos, ‘caciques’ políticos terão mais poder nas eleições de 2018. A criação de um fundo público eleitoral de R$ 1,7 bilhão vai aumentar as verbas disponíveis para 21 partidos pequenos e médios em comparação aos recursos obtidos nas eleições de 2014, sem contar as contribuições recebidas diretamente pelos candidatos. Entre os partidos mais beneficiados está o PRB. A direção partidária terá R$ 56,8 milhões a mais para administrar nas eleições de 2018. Já a cúpula do PDT terá R$ 53,9 milhões a mais em caixa, enquanto a do PR terá R$ 36,2 milhões. Partidos maiores, como PT, MDB e PSDB, mesmo ficando com a mais significativa fatia do bolo, levarão desvantagem em relação a 2014 – a eleição mais cara da história, segundo dados da ONG Transparência Brasil. “Proporcionalmente, os partidos menores serão beneficiados, porque antes recebiam poucos recursos de empresas”, diz o diretor executivo da ONG, Manoel Galdino. Com a proibição de empresas fazerem doações, o fundo vai aumentar o poder dos ‘caciques’ partidários, alertam cientistas políticos. “Antes, os políticos com mais potencial eleitoral procuravam diretamente as empresas para financiarem suas campanhas. Agora, o candidato, por mais potencial que tenha, vai precisar estar próximo da cúpula partidária”, diz o cientista político Humberto Dantas, da FGV/OAS firma parcerias com chineses para sobreviver. Abatida pela Lava Jato, em recuperação judicial, sem acesso a financiamentos e com menos contratos, a OAS firma parcerias com empresas chinesas para sobreviver. A ideia é entrar em disputas como prestadora de serviços, e não mais como sócia de empreendimentos. Para os chineses, a expertise da OAS e seu conhecimento de mercados específicos ajudariam a vencer licitações/Direto da Fonte. “Tem de vir de alguém reformista”. Presidente do Santander, Sergio Rial diz que País precisa eleger alguém capaz de relançar o setor público e que seja “indutor do empreendedor”, relata Sonia Racy/Alckmin acelera agenda de concessões/Cida Damasco: Com a 4ª revolução industrial à porta, reabrir vagas perdidas na crise é só o começo/Editorial: A esquerda e o esquerdismo. Os verdadeiros partidos de esquerda são aqueles que não confundem a luta política com a destruição dos pilares da democracia representativa/A sedução da popularidade. A usurpação de competência entre Poderes prejudica a democracia brasileira.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: Série de erros explica o avanço da febre amarela. Para especialistas, vacina demorou; governo diz que não podia adivinhar. O avanço dos casos de febre amarela no país foi precedido, segundo especialistas, por uma série de erros: problemas de planejamento, tímida vigilância das áreas que deveriam receber a vacina e falta de senso de urgência diante de evidências de que o vírus se aproximava da região mais populosa do Brasil. Dados oficiais não batem. Segundo o Ministério da Saúde, desde julho de 2017 foram confirmados 130 casos. Na contagem do governo Geraldo Alckmin (PSDB), são 134 só em cidades paulistas, com 52 mortes. No Rio, foram 26 pessoas infectadas só neste ano. Para especialistas, a imunização deveria ter começado no ano passado. No interior de São Paulo e na região metropolitana, nove em cada dez casos ocorrem em locais fora do mapa de recomendação de vacina. Atê agora, todos os casos de transmissão no país foram silvestres (macacos infectados picados por mosquitos, que transmitem a doença para pessoas). O ministro Ricardo Barros (Saúde) diz que não era possível “adivinhar” as áreas por onde o vírus circularia. Segundo ele, o mapa de vacinação não foi expandido por causa dos riscos de efeitos adversos/Marcelo Leite: Faltou prudência ao ministro da Saúde ao anunciar o fim de surto da doença/Supremo não vai permitir violência contra o Lula. Entrevista da 2ª – Gleisi Hoffmann. A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse acreditar que o Supremo Tribunal Federal não permitirá que Lula seja preso. “A corte suprema não vai deixar acontecer uma barbaridade dessas. Seria uma violência contra a democracia e o povo brasileiro”. Sobre a candidatura, diz: “Em qualquer circunstância Lula ê a nossa liderança, o nosso candidato.”/Delação feita pela Odebrecht tem só um denunciado. Anunciada como a “delação do fim do mundo”, a colaboração premiada da empreiteira Odebrecht completará um ano sem nenhum político tornado réu, nenhum preso e só um denunciado (l% do total investigado). Dos 83 inquéritos no Supremo Tribunal Federal, 78 estão inconclusos/Sem estrutura, Roraima sofre com fluxo venezuelano. Ao menos 400 venezuelanos fazem fila todo dia na frente da sede da Polícia Federal em Boa Vista, em busca de documentos para tentar trabalho. Com a crise no país vizinho, estima-se que até 40 mil tenham chegado. Abrigos estão lotados, e a prefeita Teresa Surita (MDB) se diz diante de uma “bomba-relógio”/Editorial: A urna como arma. Por legitimidade, ditadura de Maduro antecipa eleição para ficar no poder diante de uma oposição cerceada/Editorial: Ajudar o emprego. No ano passado, número de empregos com registro em carteira na prática deixou de diminuir no Brasil.

Manchete do jornal Correio Braziliense: Cultos religiosos em repartições públicas dividem até igrejas/Brasil vai enviar militares à África. São 750 brasileiros das Forças Armadas que seguirão para se reunir às tropas da ONU em área considerada mais perigosa que o Haiti, onde há conflito entre grupos paramilitares, diz o general Ajax Porto Pinheiro.

Manchete do jornal Zero Hora, do RS: Retorno da Assembleia Legislativa. Votações começam pelo futuro de três estatais.

Manchete do jornal Valor Econômico: Temer não abre mão do controle da Embraer. O governo brasileiro mantém sua decisão sobre as negociações em curso entre Embraer e Boeing para uma possível associação entre as duas fabricantes de aviões/Importação preocupa Petrobras. Para reverter sua perda de mercado para as importações, a Petrobras poderá oferecer contratos diferenciados na venda de gasolina e diesel para os distribuidores – Ipiranga, Raízen e Ale, além da BR – com o objetivo de aumentar a fidelização dos clientes/Lulismo sobrevive, mesmo com condenação. A confirmação da condenação em primeira instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua eventual prisão não devem representar necessariamente o fim do lulismo na política no curto prazo. É o que defendem Luiz Felipe de Alencastro e José Murilo de Carvalho, historiadores e cientistas políticos/Novos voos. O grupo argentino Corporación América pretende voltar a entrar em leilões de aeroportos no Brasil.

MANCHETES DOS PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e smbmanchetes da hora de O Globo online: Venda da Eletrobras estende tarifa extra por 30 anos. Projeto de lei de Temer enviado ao Congresso para privatizar estatal amplia prazo, que hoje é de 8 anos/Partidos alinhados a Lula vivem dilema da falta de rumo. Para analistas, insistir com Lula pode prejudicar esquerda nas urnas/‘O PT deveria compreender que já cumpriu o seu papel’, diz presidente nacional do PSB. Siqueira disse ainda que é muito difícil unidade entre as legendas de esquerda no primeiro turno/‘Mudanças fortaleceriam o PT’, diz José Eduardo Cardozo. Ex-ministro da Justiça e advogado de Dilma no impeachment prega reinvenção do partido/TRE cobra do estado plano de atuação contra milícias. Presidente de tribunal defende medidas imediatas para garantir eleições mais seguras sobretudo na Zona Oeste/Tríplex do Guarujá acumula dívida de R$ 80 mil de IPTU. Apartamento reformado pela OAS levou a condenação do ex-presidente Lula a 12 anos e um mês de prisão/Governo é cauteloso ao comentar documentos que comprovam ida de Maia à Odebrecht. Como O GLOBO mostrou, presidente da Câmara esteve na empresa no dia em que sistema registrou repasse de caixa dois/Cabral sai das mãos de Gilmar para as de Fachin. Transferência do ex-governador para Curitiba não lhe priva apenas das regalias de Benfica.

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Homem salvou família antes de morrer em chacina que deixou 14 mortos no CE. Comerciante protegeu filho; facção suspeita por crime anunciava há alguns dias que ia ‘matar todo mundo’/Temer defende reforma no programa Silvio Santos. Presidente e apresentador tentaram explicar de maneira didática a necessidade das mudanças/Partidos rejeitam proposta de aliança de esquerda. Líderes do PCdoB, PDT e PSOL recusam apelo de petistas e vão manter suas pré-candidaturas à Presidência/Analistas veem cenário incerto após TRF/DEM avança sobre possíveis aliados de ex-presidente. Legenda aproveita que Lula foi condenado em segunda instância para buscar apoio de PR e PP à candidatura de Maia.

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: O Supremo não permitirá violência contra Lula, afirma Gleisi Hoffmann. Presidente do PT diz que país vive ruptura e que STF ‘recolocará as coisas nos eixos’/Fim do mundo? Após um ano, delação feita pela Odebrecht tem só um denunciado/Mônica Bergamo: Executivo cumpre pena antecipada/Réu. Operador abre disputa jurídica em Portugal para evitar extradição/Série de erros explica o avanço da febre amarela na região Sudeste do país. Para especialistas, programa de vacinação demorou; governo diz que não podia adivinhar/Análise: Faltou prudência ao ministro ao anunciar o fim de surto da doença.

Manchete da hora do Correio Braziliense online: Homem de 60 anos morre após ser atropelado em Ceilândia. Policial militar sofre atropelamento na Asa Norte/Michel Temer vai ao SBT e entrega R$ 50 para Silvio Santos/Apesar de fim do recesso parlamentar, Congresso só iniciará trabalhos dia 5.

Manchete da hora do Estado de Minas online: Temer vai ao SBT e entrega R$ 50 para Silvio Santos. Presidente falou sobre as mudanças que estão previstas caso a reforma da Previdência seja aprovada no Congresso Nacional/Aos gritos de ‘Fora, Gilmar’, passageiros hostilizam ministro do STF. Ao desembarcar em Cuiabá, Mato Grosso, neste fim de semana, ministro Gilmar Mendes é hostilizado por passageiros.

Manchete da hora do jornal Zero Hora, do RS, online: Recesso interrompido. Assembleia inicia nesta segunda votações cruciais para o Estado/Obstáculos do Palácio Piratini. Lucro pontual e temor eleitoral dificultam liberação para venda de estatais/Crise no RS. O que está em jogo com a votação do regime de recuperação fiscal/Aparelhos furtados. Celular ilegal é habilitado em minutos em oficinas de Porto Alegre.

Manchete da hora do Valor Econômico online: Governo do Afeganistão eleva para 103 o número de mortos em atentado. Suicida detonou uma ambulância lotada de explosivos em frente à antiga sede do Ministério do Interior do Afeganistão, no centro de Cabul/Em entrevista a TV, Temer lembra fama ‘fake news’ de ser satanista. Conversa faz parte do esforço do presidente de melhorar sua imagem e tentar explicar para o público a reforma da Previdência/Marina Silva defende Lava-Jato e afirma que “justiça não é vingança”. Passado o julgamento do ex-presidente Lula, “é fundamental que se tenha andamento os demais processos”, disse, citando o senador Aécio Neves/Finanças. Caixa suspende financiamento a entes públicos, sem garantia/Defesa recorre ao TRF-1 para reaver passaporte de Lula.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.