Violência, eleições 2018, economia, governança e Oriente Médio são destaques dos jornais

Violência, eleições 2018, economia, governança e Oriente Médio são destaques dos jornais. 9 entre 10 bairros do Rio são atingidos por tiroteio; pesquisa CNT-MDA fotografa intenções de votos sobre corrida

Violência, eleições 2018, economia, governança e Oriente Médio são destaques dos jornais. 9 entre 10 bairros do Rio são atingidos por tiroteio; pesquisa CNT-MDA fotografa intenções de votos sobre corrida presidencial; negociação de débito rural é brecado por Temer; dezena de palestinos são mortos por exército israelense.

SINOPSE DE 15 DE MAIO DE 2018

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e destaques do jornal O Globo: Tiroteios atingem 9 entre 10 bairros. Praça Seca e Cidade de Deus são os mais afetados/

Bala perdida acerta bebê no Cosme Velho. Mãe estava com a criança na quadra da escola; idoso foi morto na Rocinha/

Alta do dólar chega aos preços em junho. Com escalada de dólar e petróleo, indústria reduz margens, mas deve reajustar produtos em junho/

Ação de Israel em Gaza mata 58 palestinos. Mortes de 58 palestinos por Exército israelense ofuscam abertura de Embaixada dos EUA e geram indignação/

Aposta na versatilidade. Tite aproveitou apenas seis jogadores da última copa na busca pelo hexacampeonato/

Argentina: dólar sobe após governo intervir. O dólar subiu 7,27% e passou de 25 pesos ontem na Argentina, mesmo após a intervenção do Banco Central, que despejou US$ 5 bilhões no mercado. Hoje vencem 671 milhões de pesos em títulos públicos, que podem ir para compra de dólares/

DEM lidera formação de bloco de centro. Sob o comando de Maia, quatro partidos rumam para aliança e devem retirar pré-candidaturas. Um bloco que reúne DEM, PRB, PP e Solidariedade, sob o comando do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pode levar à retirada de quatro pré-candidaturas em favor de nome de centro com chances reais de vitória/

Bernardo Mello Franco: A imitação de Temer. Slogan do governo copia bordão de JK e vira piada. O governo vai fazer uma cerimônia para festejar os dois anos de Michel Temer na Presidência. O lema da solenidade imita o bordão de Juscelino Kubitschek. “O Brasil voltou, 20 anos em dois”, dizem os convites enviados pelo cerimonial do Planalto/

Lydia Medeiros: A conta de Minas. A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) congelou a tarifa de metrô de Belo Horizonte por 12 anos. Se fosse uma empresa privada, há muito tempo teria fechado as portas. Só se manteve aberta porque é uma estatal que recebe socorro permanente do Tesouro Nacional. Agora, decidiu recuperar o atraso tarifário e, num país com inflação na casa dos 3,5%, anunciou um aumento de passagens de metrô em Belo Horizonte de nada menos que 88% — passando o bilhete de R$ 1,80 para R$ 3,40. Haveria confusão, não fosse uma ação emergencial do deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), que foi à Justiça e impediu a cobrança, por liminar/

PT troca oposição a Temer por defesa de Lula. No plenário da Câmara, deputados abandonam fiscalização dura e adotam mantra contra prisão de petista O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a ameaçar cortar o salário de colegas por causa da obstrução às votações vinculada à prisão de Lula/

‘Vaquinha’ eleitoral já começa a valer hoje. Pré-candidatos poderão usar sites de financiamento coletivo/

Temer usa slogan de JK para comemoração de dois anos. ‘O Brasil voltou; 20 anos em dois’ chegou a ser impresso, antes de o Planalto desistir/

STF: Fachin vai passar a ter escolta armada 24h. Em março, ministro relatou ter sofrido ameaças/

Moro condena 13 por propina em obra no Fundão. Novo Centro de Pesquisas da Petrobras teve a licitação fraudada/

Universidades espionaram alunos e professores na ditadura. Relatório da UFSC cita ‘censura, repressão e controle ideológico’/

Governo pede aos EUA registros da CIA. Objetivo é ter acesso a documentos relativos ao período da ditadura militar/

Protestos marcam os dois meses da morte de Marielle e Anderson. Manifestantes cobram justiça; deputado federal critica investigação/

Justiça ordena transferência de miliciano preso em Bangu. Citado por uma testemunha do caso, ele será levado para uma cadeia federal/

‘Redes sociais devem permitir que todos se expressem’.  Romain Badouard, pesquisador da internet Professor da Universidade Cergy-Pontoise veio à cidade participar de debates sobre Maio de 1968 no Consulado Geral da França/

Editorial1: Candidato não pode fugir de perguntas difíceis. Político não gosta de abordar temas impopulares. Mas há alguns, pela sua importância, que não podem ser desconsiderados. Previdência e todos seus subtemas — como a indexação de benefícios — estão neste caso/

Editorial2: A tragédia por trás dos casarões do tráfico. As condições encontradas nesses imóveis não são muito diferentes das que levaram ao incêndio e à queda do Edifício Wilton Paes de Almeida, em São Paulo.

 

Manchete e destaques do jornal Estado de São Paulo: Governo proíbe perdão de débito rural que pode chegar a R$ 17 bi. Lei que criou o Refis do Funrural incluiu também descontos para outras dívidas. Sem dinheiro em caixa, o governo determinou que os bancos públicos não renegociem dívidas de produtores rurais, beneficiados pela aprovação no Congresso de lei que concede descontos de até 95% no saldo devedor. Esses descontos terão de ser bancados pelo Tesouro Nacional, e o custo pode chegar a R$ 17 bilhões, caso todos os produtores renegociem os débitos/

Protestos em Gaza deixam 58 palestinos mortos. Revolta. Confronto começou após multidão tentar cruzar a cerca na fronteira e lançar pedras contra soldados israelenses, que responderam com tiros; pelo menos 2.700 pessoas ficaram feridas, segundo o Hamas, no dia mais violento na região desde 2014/

Os 23 de Tite. Tite convoca o Brasil para o Mundial da Rússia, não apresenta novidades e defende sua coerência de trabalho/

Moro condena mais um tesoureiro do PT. Paulo Ferreira é sentenciado a 9 anos e 10 meses por lavagem e organização criminosa/

91% dos deputados na mira da Lava Jato disputarão as eleições. Congresso. No total, 50 dos 55 parlamentares investigados e acusados pretendem concorrer em outubro; STF julga hoje primeiro congressista denunciado pela operação/

Delegado da PF é morto em assalto. Mauro Abdo atirou contra dois bandidos em reação à tentativa de roubo; um deles havia recebido benefício de saída temporária do presídio/

TCU mira empresa que tenha obra e concessão/

Temer credita mandato à relação com Congresso. Após dois anos de mandato, o presidente Michel Temer pretende deixar uma lição para qualquer que seja o seu sucessor: “Não adianta ter má vontade com o Congresso. As pessoas acham que o presidente faz o que quer, mas ele depende do Legislativo e do Judiciário”. Na sua opinião, a experiência de ex-presidente da Câmara foi fundamental para que ele permanecesse no cargo até agora. “Eu trouxe o Congresso para o governo comigo. O meu governo é semipresidencialista.” E completou: “Senão, hoje eu não estaria sentado aqui nessa cadeira”/

PSDB lança Anastasia ao governo de Minas. Pré-candidato ao governo mineiro, tucano dá ‘palanque’ a Alckmin, no 2º colégio eleitoral/

Sem Lula, Bolsonaro lidera pesquisa. O deputado Jair Bolsonaro (PSL) lidera os três cenários de pesquisas estimuladas sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa, aponta pesquisa CNT/MDA divulgada ontem. Condenado e preso na Operação Lava Jato, Lula lidera os cenários nos quais participa do levantamento. No entanto, o petista pode ser declarado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Limpa/

Clésio Andrade é condenado no mensalão mineiro. Justiça de Minas impõe ao ex-senador do MDB pena de 5 anos e 7 meses pelo crime de lavagem de dinheiro/

Eliane Catanhêde: ‘Vaquinha virtual’. Começa hoje uma etapa das eleições que envolve diretamente o eleitor, ou seja, o senhor, a senhora, você. Entra em vigor oficialmente a “vaquinha virtual”, ou “crowdfunding”, pela qual a pessoa física pode participar ativamente da campanha, não só votando, mas contribuindo financeiramente para o candidato que julgar melhor para o País/

Editorial1: O risco-chave, segundo o FMI. O Brasil poderá entrar em nova crise, e até em recessão, se o próximo governo abandonar a pauta de ajustes e reformas, alertou diretor do Fundo/

Editorial2: E o atraso vai vencendo. É surpreendente a dificuldade encontrada pelo governo para pôr em andamento o plano de privatizar a Eletrobrás/

Editorial3: O prestígio das universidades. As universidades brasileiras voltaram a cair nos levantamentos comparativos promovidos pela conceituada publicação britânica Times Higher Education (THE), que em 2018 avaliou 350 instituições de ensino superior de 42 países emergentes. Até a Universidade de São Paulo (USP), apesar de ter continuado a ser a mais importante da América Latina, perdeu posição. Depois de ter ficado em 13.° lugar em 2017, ela caiu para o 14.° lugar neste ano. Foi a segunda vez que a USP ficou fora da lista das dez melhores. As primeiras posições foram ocupadas pelas universidades chinesas de Pequim e de Tsinghua.

 

Manchete e destaques do jornal Folha de São Paulo: 55 palestinos morrem em confronto na faixa de Gaza. Embate com o Exército israelense ocorreu no mesmo dia da abertura da Embaixada dos EUA em Jerusalém. Confrontos entre tropas israelenses e manifestantes palestinos por ocasião da abertura da Embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém deixaram 55 mortos, todos palestinos, na fronteira da faixa de Gaza com Israel. Trata-se do maior número de vítimas em território palestino desde 2014. Segundo o Ministério da Saúde local, 2.700 pessoas ficaram feridas, quase metade delas por armas de fogo. As manifestações se inseriram na sequência de atos semanais iniciados em 30 de março e conhecidos como Grande Marcha do Retorno. Em um mês e meio, 104 palestinos morreram. Para os EUA, a culpa é da facção radical Hamas, que controla Gaza há mais de dez anos. A ONU considerou desproporcional a reação das forças de Israel, que afirmou que o Exército apenas se defendeu/

Quem ofender PM corre risco de vida, afirma governador. Após homenagear policial militar que matou ladrão em escola, o governador de SI) Márcio França (PSB), disse que quem ofender a PM corre risco de vida. “As pessoas têm que entender que a farda é sagrada, é a extensão da bandeira do estado.”/

Divulgação de pesquisa empurra dólar a R$ 3,63. A moeda fechou no maior nível desde abril de 2016, mesmo após ação do Banco Central. Pesquisa eleitoral que mostra empate entre Marina e Ciro contribuiu para a alta/

Michel Temer. Brasil voltou a ter prosperidade. Trilhamos um caminho de coragem, de mudanças. Ele tem sido duro aponto de nos custar popularidade, num país ansioso por soluções fáceis/

1/3 dos presidenciáveis desiste antes da eleição. Série histórica do Datafolha mostra que desde a redemocratização 1 em cada 3 pré-candidatos deixou a disputa nos seis meses antes do pleito/

Sem Lula, Bolsonaro lidera e empataria com Marina no 2º turno, aponta pesquisa CNT. Bolsonaro aparece com 18,3% contra 11,2% de Marina em cenário com 14 candidatos. Quando aparece, Lula, mesmo preso em Curitiba, lidera a pesquisa: com 32,4% de intenções de voto. No segundo turno, venceria todos os candidatos/

Carta vê falta de transparência no Vem Pra Rua. Núcleos regionais contestam reunião entre doadores do grupo e o ex-líder Rogério Chequer, pré-candidato ao governo de SP/

Caso de Paulo Bernardo deve sair de SP e ir ao STF/

Após problemas de comunicação, PF fará treinamento de mídia/

Planalto desiste de slogan ‘O Brasil voltou, 20 anos em 2’ após interpretação ambígua/

Monge visita Lula na prisão e os dois rezam juntos/

Painel: Família de Paulo Preto fica alarmada e diz que não suportará outra prisão/

Editorial1: Lobby do carimbo. Cartórios pressionam contra projetos que buscam a melhora do ambiente de negócios/

Editorial2: Conveniência sangrenta. Cenário de atritos, cada vez mais constantes e letais, revela-se conveniente.

 

 

 

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.