Violência, Segurança Pública e economia são os destaques

Edição: Sérgio Botêlho  JORNAIS: Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Apreensão de armas e drogas bate recorde. Em 2017, foram recolhidos 33,5% mais armamentos de grosso calibre. Principal

Edição: Sérgio Botêlho 

JORNAIS:

Manchete e submanchetes do jornal O Globo: Apreensão de armas e drogas bate recorde. Em 2017, foram recolhidos 33,5% mais armamentos de grosso calibre. Principal destino de material apreendido nos limites do Brasil com outros países eram facções criminosas do Rio e de São Paulo. Apesar de ainda ter uma vasta área desprotegida nos 17 mil quilômetros de fronteiras terrestres, o Brasil bateu, em 2017, recorde de prisões e apreensões de armas e drogas. Polícia Rodoviária Federal, Exército e Receita Federal apreenderam duas mil armas de grosso calibre, 33,5% mais que em 2016. Ao menos 9,2 toneladas de cocaína estavam em poder de criminosos. A maior parte do material iria para facções de Rio e São Paulo. Na Vila Kennedy, o tráfico voltou a instalar obstáculos, após o Exército derrubar barreiras/Peso da indústria no PIB cai a nível dos anos 1950. Apesar do crescimento de 2,2% em 2017, a indústria de transformação vem perdendo espaço na economia e hoje representa 11,8% do PIB, a menor participação desde os anos 1950/Aliados se distanciam de Marina Silva. Apesar do bom desempenho da presidenciável nas pesquisas, Rede perdeu parlamentares. Antigos aliados de Marina criticam falta de foco dela e se dedicam a novos projetos/Editorial: Medida necessária. A intervenção foi aprovada pelo Congresso, com ampla maioria, respeitando a Constituição. Tudo dentro da lei.

Manchete e submanchetes do jornal Estado de São Paulo: Um terço da renda da elite dos servidores é isento de IR. Juízes, procuradores e conselheiros de Tribunais de Contas recebem R$ 6,4 bi livres de impostos por ano. A elite do funcionalismo público, formada por membros do Judiciário, Ministério Público e Tribunais de Contas, tem quase um terço da renda isento de imposto de renda (IR), segundo dados da Receita Federal. Em 2016, cada juiz, procurador, ministro ou conselheiro de tribunal de contas recebeu em média R$ 630 mil, sendo R$ 180 mil livres de tributos. Esse nível de isenção é explicado pelo recebimento de auxílio- moradia e de uma série de outros “penduricalhos”, que não pagam imposto de renda. Se fossem tributados, esses rendimentos pagariam alíquota de 27,5%. Ao todo, em 2016, a elite dos servidores recebeu R$ 6,4 bilhões isentos de qualquer tributação. Para o exsecretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda Bernard Appy, os dados da Receita mostram distorções nas cobranças de tributos. “Quanto maior a renda, maior é a parcela total da renda isenta.” O pagamento dos auxílios a juízes e procuradores tem sido questionado e as categorias reagiram marcando uma greve para o dia 15/MP apura desvio na Assembleia. O Ministério Público Estadual de São Paulo investiga suposto esquema de desvios de verbas pela deputada estadual Clélia Gomes (PHS). Segundo as investigações, ex-funcionários baseados no gabinete de Clélia entregavam mensalmente parte de seus vencimentos para a deputada. De março de 2015 a novembro de 2017, os valores somariam R$ 1,6 milhão. A deputada não foi encontrada, mas assessores atuais rejeitam as denúncias/Apenas 2% dos alunos pobres tiram notas boas. Estudo da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostra que só 2,1% dos alunos brasileiros pobres de 15 anos têm bom desempenho escolar. Entre países- membros da OCDE, a média é de 25,2%. Dos 71 países pesquisados, o Brasil ficou em 62.º/Lúcia Guimarães: Cultura se moveu para a esquerda a partir da eleição de 2016/Cida Damasco. Será difícil manter ritmo vigoroso de alta do PIB em 2019/Editorial1: Um chamado à razão. O presidente Michel Temer teve de recordar, em entrevista, que as Forças Armadas “só são chamadas quando eu as convoco” e que “não há um desejo sequer das Forças Armadas em assumir o poder”/Editorial2: Supremo erra de novo. O STF confirmou que as leis podem retroagir, a depender da vontade dos magistrados/Editorial3: Benefícios adiados. Nova política para o setor automobilístico, chamada de Rota 2030, ainda enfrenta divergências dentro do governo e agora não tem mais data para ser anunciada.

Manchete e submanchetes do jornal Folha de São Paulo: Rio lidera redução de gastos com segurança. De 2015 a 2017, corte atingiu R$ 888 milhões no estado, uma queda de 9%. De 2015 a 2017,11 estados diminuíram o Orçamento da segurança. 0 líder dessa lista em valores absolutos ê o Rio de Janeiro, onde a disparada da violência resultou em intervenção federal. Nesses três anos, os cortes no Rio atingiram R$ 888 milhões, já atualizados pela inflação, uma queda de 9%. 0 dado mais preocupante de acordo com especialistas está na verba para informação e inteligência. 0 valor já era diminuto em 2015: menos de R$ 24 mil. No ano passado, despencou para R$ 2.470. A quantia ê insuficiente para comprar duas pistolas com o desconto aplicado a governos. Como os anos recentes foram de recessão e de queda abrupta na arrecadação, especialistas em contas públicas avaliam que ajustes eram previsíveis. No entanto, quando se considera o Brasil inteiro, os gastos estaduais com segurança tiveram alta de pouco mais de 1% no período. Outros estados igualmente arrastados pela crise tiveram comportamento inverso ao do Rio. Em grave situação fiscal, o Rio Grande do Sul, por exemplo, destinou mais R$ 420 milhões para o combate ao crime. Procurado pela Folha, o governo fluminense não comentou OS cortes/Governo Temer dá cada vez mais espaço a militares. 0 governo de Michel Temer (MDB) tem entregado a militares cada vez mais áreas da administração antes ocupadas por civis. Eles comandam o Ministério da Defesa, a intervenção no Rio de Janeiro, a secretaria nacional de Segurança Pública do ministério homônimo, o Gabinete de Segurança Institucional, a Funai e cargos estratégicos de segundo escalão/Análise: Rodrigo Vizeu. Ainda resiste a ideia de que Forças Armadas têm os melhores quadros/Debate sobre posse de armas racha pré-candidatos e projeta Bolsonaro. João Amoêdo e Alvaro Dias também são a favor de flexibilizar Estatuto do Desarmamento. O tema divide a população, como revelou pesquisa Datafolha feita em novembro com 2.765 entrevistados em 192 cidades. Do total, 56% responderam que “a posse deve ser proibida, pois representa ameaça à vida de outras pessoas”, e 42% disseram que “possuir uma arma legalizada deveria ser um direito do cidadão para se defender” (2% não souberam opinar)/Centro-direita sai na frente em boca de urna na Itália. Pesquisa de boca de urna indica que os italianos elegeram ontem um Parlamento fragmentado, sem que nenhum partido tenha maioria para formar governo. A coalizão de centro-direita do ex-premiê Silvio Berlusconi obteve de 33% a 36% e, se confirmado o resultado, deve liderar as negociações. 0 5 Estrelas, criado por um comediante, foi o partido individualmente mais votado. 0 governista PD, de centro-esquerda, teve de 20% a 23%/EUA descartam isenção a países na tarifa do aço. Peter Navarro, um dos principais assessores comerciais do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que não haverá isenção de tarifas sobre a importação de aço e alumínio a países fornecedores. Segundo maior exportador de aço aos EUA, o Brasil está entre os que podem ser mais afetados. A Casa Branca havia sinalizado com possíveis exceções/É burrice opor economia a ambiente, afirma pesquisadora/Editorial1: Farra federal. Deputados precisam votar com urgência projeto que disciplina o cumprimento do teto salarial/Editorial2: Preparando terreno. Valor gasto em programa de recapeamento em São Paulo indica prioridade questionável.

Manchete do jornal Correio Braziliense: Guarda Nacional atuará contra o crime organizado. Governo acelera estudos sobre a criação de uma corporação para auxiliar estados no combate à violência urbana. Enquanto isso, moradores de regiões como o Rio de Janeiro andam deprimidas e com medo de sair às ruas/Bancos não querem partilhar caixas eletrônicos.

Manchete do jornal Valor Econômico: Bancos estatais recuam com recessão e nova orientação. Depois de crescer fortemente durante os governos Lula e Dilma, os bancos estatais estão voltando a ter o tamanho anterior ao da crise mundial de 2008/9. Em 2017, perderam participação no crédito total da economia pela primeira vez em uma década. Apesar disso, seguem com fatia maior que a dos bancos privados/Estados usam reserva para pagar inativos. Cada vez mais, Estados pagam seus aposentados e pensionistas com recursos que deveriam ser destinados à capitalização de seus fundos de previdência. Ao menos seis Estados e o Distrito Federal já consomem reservas constituídas para o pagamento de compromissos futuros/Disputa em família agita a Marabraz. A família Fares, controladora da rede de móveis Marabraz, está no centro de uma disputa judicial que colocou em dois campos opostos os quatro irmãos herdeiros da varejista/Novos voos. Depois de 40 anos em São Caetano do Sul, o empresário Michael Klein vai transferir seu escritório para São Paulo. Não por acaso, vai se instalar ao lado o Aeroporto de Congonhas. Seu novo negócio, na Icon Aviation, não para de crescer. “Já ocupa 50% do meu dia/Governo terá candidato, diz Moreira. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, disse ao Valor que o governo terá candidato próprio para presidente e que a reforma ministerial de abril será feita em função dessa candidatura/Comperj e Açu ajudam Rio a iniciar reação. O setor de energia começa a dar sinais de recuperação no Estado do Rio de Janeiro. A recuperação passa por dois eixos principais: Itaboraí, na Região Metropolitana, onde serão retomadas as obras do Comperj; e Norte Fluminense, onde vai começar a construção da termelétrica do Complexo do Açu/Trump pode ir além das sobretaxas. Depois da imposição por Donald Trump de sobretaxas às importações de aço e alumínio, a impressão na cena comercial internacional é de que os EUA não vão parar por aí e adotarão novas ações unilaterais/Trading japonesa Multigrain, da Mitsui, pode encerrar operações. A trading de grãos Multigrain, subsidiária do grupo japonês Mitsui no Brasil, poderá fechar as portas. Termina neste mês o prazo dado pela direção, em Tóquio, para uma decisão sobre o futuro da companhia, que tem desempenho financeiro ruim/Fundos querem BRF de ‘volta aos trilhos’. A era de Abilio Diniz e da Tarpon à frente da BRF, iniciada em 2013, pode estar mais perto do fim. O conselho de administração discute hoje a lista apresentada pelos acionistas Petros e Previ para substituir 70% dos seus membros e ‘colocar companhia nos trilhos’/Editorial: Os desafios fiscais continuam iguais, apesar do otimismo. O fato de o governo não ter dificuldade em cumprir a meta fiscal deste ano não deve ser motivo para celebração, pelo simples fato de que a meta é de um déficit primário para a União de R$ 154 bilhões, bem maior do que os R$ 110,6 bilhões de déficit em 2017.

Manchete do Jornal do Brasil: Idoso: o novo mercado/Megalegandas dominam o fundo eleitoral/Tereza Cruvinel: Na barafunda de candidaturas, entre Lula e Bolsonaro, os nomes de centro-direita, mesmo se dizendo de centro, não decolam/Informe JB: Com a ascensão de Temer, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos subiu no telhado. O Dieese está sem grana/Marília Arraes. A neta de Miguel Arraes, que é pré-candidata do PT ao governo de Pernambuco, dispara críticas contra o partido fundado por seu avô, o PSB/Editorial: Na hora do voto. Está destinada a sensibilizar os TREs a proposta de ampla campanha centrada na tentativa de quebrar o desencanto dos eleitores com os políticos.

PORTAIS DE NOTÍCIAS:

Manchete e smbmanchetes da hora de O Globo online: Apreensões de armas e drogas batem recorde nas fronteiras brasileiras. PRF deteve 38.339 criminosos e recolheu 2.089 armas pesadas em 2017, além de apreender ao menos 9,2 toneladas de cocaína/Tráfico recoloca barricadas na Vila Kennedy após saída de militares. Tropas tinha passado o sábado removendo barreiras da comunidade na Zona Oeste/Exército levará ação social às favelas do estado, diz general/QG das Forças Armadas no Rio sofre com falta de verbas/Partido da aliança governista admite derrota na Itália. Últimas pesquisas sobre o resultado das eleições colocam o Partido Democrático em terceiro/Berlusconi vence na Itália, mas sem maioria, diz boca de urna. Liderada pelo ex-premier, coligação não teria votos necessários para governar sem alianças/Peso da indústria no PIB cai ao nível dos anos 1950. Apesar do crescimento em 2017, setor continua a perder espaço na economia e chega ao percentual de 11,8%/Conceito de indústria mudou, afirma economista. Para Marcos Lisboa, país teve uma concepção equivocada sobre política industrial/Processo de desindustrialização se acentuou a partir de 2008/Ex-vilão da inflação, serviços desaceleram alta de preços. Escolas, academias e salões de beleza seguram reajustes/Com crise, famílias deixam creche e voltam a contratar domésticas. Aumento de profissionais à procura de emprego reduz salários/‘É preciso’ que PMDB tenha um candidato próprio, diz Jucá. Senador fez elogios ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. 

Manchete e submanchetes da hora do Estadão online: Um terço da renda da elite dos servidores do País é isento de IR. Juízes, procuradores e conselheiros de Tribunais de Contas recebem R$ 6,4 bi livres de impostos por ano/Juros altos protegeram renda dos mais ricos na crise/PF deflagra nova fase da Operação Carne Fraca e mira BRF. Batizada de Operação Trapaça, terceira etapa das investigações cumpre 11 mandados de prisão e 53 buscas e apreensões contra alvos do grupo dono da Sadia e Perdigão/MP investiga esquema de desvio de salário na Alesp. Promotoria apura caso de funcionários que devolviam parte dos salários para a deputada Clélia Gomes (PHS)/Boca de urna: coalizão de Berlusconi tem mais votos. Porcentual obtido pela aliança de centro-direita, porém, não é suficiente para a formação de um governo/Intelectuais de esquerda iniciam movimento a favor de Fernando Haddad. Grupo defende ex-prefeito como primeira opção do PT ao Planalto no lugar do ex-presidente Lula/Marina lidera corrida em site de apostas internacional. 

Manchete e submanchetes da hora da Folha online: Rio lidera redução de gastos em segurança. De 2015 a 2017, corte atingiu R$ 888 milhões no estado, uma queda de 9%/Governo Temer dá cada vez mais espaço a militares. De forma inédita na redemocratização, Forças Armadas estão em cargos na Funai, Abin e Casa Civil, entre outros/Análise: Mito de que a caserna é mais preparada que os civis para comandar o país continua forte/Itália: Resultados iniciais esquentam debate sobre populismo. O nacionalista Liga e o movimento 5 Estrelas podem somar quase metade do eleitorado/Emissão de títulos. Com recuo do BNDES, cresce captação via mercado/Inteligência artificial vai mudar os relacionamentos humanos. Para historiador, Google, Facebook e Amazon competem em revolução digital. 

Manchete da hora do Correio Braziliense online: Sensação de insegurança toma conta do Rio de Janeiro/Chuva e ventos fortes derrubam árvores em quadras de Brasília/66% dos brasileiros dispostos a adotar não querem acolher irmãos/Brasília: Legendas ricas e com tempo maior na TV formam alianças fortes. 

Manchete da hora do Valor Econômico online: Casa Branca: Nenhum país ficará livre de sobretaxa de aço e alumínio. Assessor do presidente Trump diz que somente algumas empresas, que ele não especificou, poderão ser contempladas com alguma isenção/May expressa a Trump “profunda preocupação” com tarifas ao aço/Casa Branca nega reunião com Pequim sobre disputas comerciais/Randon comunica o falecimento de Raul Randon, fundador da empresa. O empresário iniciou suas atividades no setor na década de 1940, quando ele e o irmão abriram uma oficina para reformar motores industriais. Raul Randon, um empresário que faria tudo de novo/China fixa meta de crescimento de 6,5% para o PIB em 2018/Fundos Petros e Previ divulgam chapa para conselho da BRF/Tribunal de Contas da União mudará regras para acordo de leniência. 

Manchete da hora do Jornal do Brasil online: Itália: prévia dá 37% dos votos à centro-direita de Berlusconi. Como nenhum grupo obteve maioria absoluta, espera-se que negociações para formação de governo sejam longas/”A forma da água” é o grande vencedor do Oscar 2018. Filme conquistou quatro estatuetas das 13 indicações recebidas pela Academia de Hollywood/Tiro n’água da Operação Lava Jato. Acusado de vazamentos por membros da Força Tarefa de Curitiba, Fanton é absolvido/Entrevista – Marília Arraes: “Político precisa ter lado”. Neta de Arraes diz que sabe qual seria posição de seu avô.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.